Padre Alberione

Tiago Alberione nasceu em São Lourenço de Fossano (Cuneo, Itália), em 4 de abril de 1884. Quinto filho de Miguel Alberione e Teresa Rosa Alloco, modestos agricultores das redondezas de Bra, foi batizado no dia seguinte ao nascimento. Sua frágil saúde levou sua mãe Tereza a consagrá-lo a Nossa Senhora das Flores, muito venerada na cidade de Bra. Tereza pedia muito a Nossa Senhora que encaminhasse um de seus filhos ao sacerdócio.

 

Entre os seis e sete anos de idade, o pequeno Tiago frequenta o primeiro ano primário. À pergunta da professora: o que pensam ser no futuro? Tiago responde com decisão: eu vou ser padre! Esta afirmação que, bem mais tarde ele chama de primeira luz clara, vai se confirmando numa maturidade precoce que o distingue. Isso foi observado por seus professores e pelo pároco padre João Batista Montersino, os quais, de comum acordo decidiram admiti-lo à primeira comunhão com apenas oito anos e meio, antes de seus companheiros, contrariando o costume do tempo.

 

Tiago continuou frequentando a escola até ser admitido ao Seminário Menor de Bra, onde viveu um tempo de serenidade, muito estudo, leituras e oração. A vida parecia proceder normal, até que veio a notícia da demissão do jovem Tiago do seminário. Não se conhecem bem os motivos que levaram seus superiores a tomar tal decisão. O certo é que Tiago retornou à sua família.

 

Sem desistir de seu propósito, Tiago confiou-se à providência divina. Em casa, contou com a ajuda do irmão João Luís, que se propôs trabalhar em seu lugar na lavoura para possibilitar que ele se dedicasse aos estudos. Sobretudo o pároco, Padre Montersino, muito o ajudou, e inclusive mediou o seu ingresso no Seminário de Alba, no outono de 1900. Tiago reconhece ter encontrado ali um ambiente simples, de profunda e consistente espiritualidade; um lugar determinante para a sua formação.

 

Casa onde nasceu Tiago Alberione

Seminário de Bra

Capela do Seminário de Bra

A Noite da Passagem do Século

O nosso jovem Tiago que passava por lutas internas, é tocado por Deus com um chamado especial: a graça de uma experiência determinante. Com dezesseis anos de idade, no primeiro ano de filosofia, Tiago participa do congresso organizado pela diocese de Alba, versando sobre as necessidades da Igreja e os desafios provindos dos novos meios de comunicação que surgiam na passagem do século 1900/1901.

 

Depois da missa solene da meia noite, permaneceu por horas em adoração ao Santíssimo Sacramento solenemente exposto na Catedral de Alba. Essa longa vigília marcou sua vida, pois uma luz particular veio do tabernáculo e sentiu-se profundamente obrigado a preparar-se para fazer algo pelo Senhor e pelos homens do novo século..., a servir a Igreja e a agir em união com outras pessoas. Deste então, estes pensamentos dominaram o estudo, a oração, toda a formação.

 

Tiago prosseguiu seu caminho de formação e no dia 29 de junho de 1907 foi ordenado sacerdote. Realizou sua primeira atividade pastoral na paróquia de Narzole (Itália) e no seminário de Alba, foi professor de História Geral, de Arte Sacra e de Liturgia. Assumiu ainda a função de bibliotecário e de diretor espiritual dos seminaristas por vários anos. Foi membro da Comissão Catequética Diocesana e da Associação da Boa Imprensa.

 

A Hora de Deus...

 

A experiência eucarística que o seminarista Tiago Alberione vive na noite de passagem entre os dois séculos (1900-1901) é decisiva para a missão eucarística e espírito particular no qual nasceria e viveria a Família Paulina.

Em 1913, integrante da Associação da Boa Imprensa, recebe do bispo a direção do Semanário Diocesano, Gazzetta d’Alba. Era o primeiro passo de uma viagem que o conduziria muito longe e que ele ansiava por iniciar há alguns anos. Alberione sente então, ressoar a hora de Deus e dedica-se totalmente ao apostolado da Imprensa, confirmando o chamado à evangelização nas fronteiras inexploradas do mundo da comunicação.

 

Em 1914, Padre Alberione adquire o necessário para montar uma tipografia e escolhe o dia 20 de agosto para dar início, com dois jovens ainda meninos, à chamada Escola Tipográfica, em um prédio alugado. Assim tem início a Pia Sociedade de São Paulo, a primeira de outras nove fundações por ele criadas. Dessa forma, Padre Alberione deixa uma herança à Igreja: uma série de Institutos, diferentes na estrutura, mas unidos pelo mesmo ideal apostólico: Filhas de São Paulo, Pias Discípulas do Divino Mestre, Irmãs de Jesus Bom Pastor, Irmãs Apostolinas, e os Institutos seculares: Jesus Sacerdote, São Gabriel Arcanjo, Nossa Senhora da Anunciação, Santa Família e a Associação dos Cooperadores Paulinos. Todos estes Institutos, considerados em conjunto, formam a Família Paulina... Todos têm origem comum, espírito comum e fins convergentes. A pertença à Família Paulina, assim desejada pelo Fundador, é um dos elementos carismáticos de cada Instituto.

 

Padre Tiago Alberione veio a falecer em Roma, no dia 26 de novembro de 1971 com a idade de 87 anos e oito meses. Uma hora antes recebera a visita do Santo Padre Paulo VI. Foi sepultado na cripta do Santuário Rainha dos Apóstolos, em Roma. No dia 27 de abril de 2003 foi proclamado Bem-aventurado pelo Papa João Paulo II.

 

Alberione e os primeiros jovens

Padre Tiago Alberione

Bênção de equipamentos (1956)

Área restrita




Todos Direitos Reservados 2017