No dia 24 de março de 1987, Madre Escolástica conclui seu peregrinar terreno. Ela foi a primeira sobre a qual o bem-aventurado Tiago Alberione havia posto o olhar para dar vida à nova fundação e é a última do primeiro núcleo das oito a concluir, podemos assim dizer, o arco fundacional.

Dia 13 de março de 1993, em Alba, inicia-se o processo diocesano para a beatificação e canonização de Madre Escolástica Rivata. Ela foi proclamada Venerável pelo papa Francisco no dia 9 de dezembro de 2013 e agora continua o processo para o próximo passo, a beatificação.

Com a expressão Senhor, só tu e basta, a jovem Úrsula diz o seu “sim” Àquele que por primeiro a escolheu e que, a partir daquele momento lhe pedirá para ser “o Único” da sua vida, “na alegria e na dor, na saúde e na doença, na pátria e no exílio…” Embora já tenha atingido a maioridade, a sua decisão provoca certo contraste na família, acolhido por ela como uma prova que a reforça ainda mais na decisão.

Úrsula continua a sua formação lendo muito. A paixão pela leitura, na busca de bons livros, leva-a ao encontro de um grande apóstolo dos tempos modernos: padre Tiago Alberione o qual, sem rodeios, enquanto procura o livro pedido por ela, e depois num breve diálogo, lhe diz: Quando você vem para a casa São Paulo? A partir disso tendo já vinte e quatro anos, sente-se impulsionada a romper com as demoras e a oposição da família.

Acompanhada pelo pai, no dia 29 de julho de 1922, Úrsula entrou na aventura que a conduziu nos insondáveis caminhos do Senhor. No vivaz contexto das primeiras fundações paulinas, no dia 21 de novembro de 1923, padre Alberione diz: Separai para mim Úrsula e Matilde, para a obra à qual as destinei. Assim começou a escolha de Úrsula para iniciar a nova fundação juntamente com outras seis jovens que a própria Úrsula ajudará escolher dentre as jovens do grupo feminino já existente.

O dia 10 de fevereiro de 1924, memória de Santa Escolástica, foi escolhido pelo padre Alberione para o início da nova fundação. No dia 25 de março do mesmo ano, festa da Anunciação, este grupo de oito jovens, faz sua manifestação oficial com o hábito religioso e a profissão dos votos. Recebem um nome novo e Úrsula torna-se Irmã Escolástica da Divina Providência.

No mesmo dia inicia aquele que será o seu trabalho principal: a Adoração Eucarística e o viver como irmã e mãe ao lado dos Sacerdotes e Discípulos da Sociedade São Paulo. Desde estes inícios, Madre Escolástica Rivata passa a ser a colaboradora em Cristo com Padre Alberione, para a realização do carisma das Pias Discípulas do Divino Mestre. Com vinte e oito anos é a responsável pela nova família que surge e, a partir deste momento, pode-se ler a história de Escolástica somente seguindo passo a passo o caminho das Pias Discípulas.

A vida de Madre Escolastica foi cheia de testemunho evangélico e isto a faz uma expressão de beleza autêntica, capaz de incentivar o encontro com Jesus com seu rosto alegre, seu sorriso que faz brilhar a verdade e a bondade do Ressuscitado.

Pelo seu testemunho, o eco da sua vida nos inspira a ter a coragem para se deixar formar pela beleza, como fizeram Pe Alberione e Pe Timoteo Giaccardo. É certamente uma resposta ao mundo de hoje, dizer com vida que a beleza não consiste em exterioridade estética, mas encontra plenitude em Cristo aqueles que vivem em conformidade com o Evangelho. A beleza experimentada nesta forma também se torna um meio vocacional.

As palavras do Papa Bento XVI pronunciadas na conclusão da XI Assembleia Geral Ordinária do Sínodo dos Bispos, em 23 de outubro de 2005, certamente relatam esta experiência de fé de Madre Escolástica:

“O santo é aquele que é tão fascinado pela beleza de Deus e por sua perfeita verdade que se deixa a ser gradualmente transformado. Por essa beleza e verdade, ele está pronto para desistir de tudo, até de si mesmo. O amor de Deus é suficiente: ele ( o santo) experimenta no serviço humilde e desinteressado ao seu próximo, especialmente daqueles que são incapazes de retribuir. Quão providencial, nessa perspectiva, é o fato de que hoje a Igreja aponta para todos os seus membros cinco novos santos que, nutridos por Cristo, o Pão vivo, se converteram ao amor e lhe marcaram toda a sua existência! Em diferentes situações e com diferentes carismas, eles amavam o Senhor com todo o coração e o próximo como a si mesmos “para se tornar um modelo para todos os crentes” (1 Ts 1: 6-7).

Música feita pela Ir. Goretti Medeiros, pddm

Deixe uma resposta