Neste 10 de fevereiro de 2021, a Congregação das Religiosas Pias Discípulas do Divino Mestre celebra 97 anos de fundação. Bendizemos a Deus, por ter confiado ao Bem-aventurado Alberione, o carisma fundacional de nossa Congregação e pelo sim das primeiras Irmãs.

As Irmãs Pias Discípulas do Divino Mestre foram fundadas pelo Padre Tiago Alberione, em Alba, Itália, em 10 de fevereiro de 1924. É a terceira fundação que compõe a Família Paulina. O nome, Pias Discípulas do Divino Mestre, sinaliza a nossa identidade carismática, centrada em Jesus Cristo Mestre Caminho, Verdade e Vida.

Conquistadas por Jesus Mestre, permanecemos à sua escola, em comunidades de vida consagrada apostólica. Maria, a primeira discípula, e, Rainha dos Apóstolos, nos ensina a guardar a Palavra para colocá-la em prática. São Paulo, Apóstolo e místico, nos guia no caminho de configuração a Cristo e no ardor da caridade apostólica.

Conforme a palavra do Fundador, as Discípulas são membros vivos e operantes em Cristo e na Igreja, com a missão que brota do amor a Jesus vivente na Eucaristia, no Sacerdócio e na Liturgia, orientada à glória de Deus e à paz da humanidade. A missão nos leva a multiplicar as iniciativas da caridade apostólica, para testemunhar a presença de Deus no mundo, atentas aos sinais dos tempos e abertas ao diálogo intercultural.

No projeto unitário da Família Paulina: viver e comunicar Jesus Cristo, Caminho, Verdade e Vida, à humanidade, com os meios mais rápidos e eficazes que o progresso humano oferece, a nossa Congregação, chamada a cultivar a comunhão, vai à raiz da videira para obter a linfa que alimentará a planta, e assim dar frutos de santidade e de apostolado.

No âmbito de uma cultura da comunicação, promovemos a formação litúrgica e artística, a fim de que a comunidade cristã viva, reze e celebre na dignidade e na beleza e chegue à comunhão com Deus, com os outros e com a criação. A nossa atividade artística está a serviço da evangelização e, em particular, da vida litúrgica.

OS INÍCIOS DA CONGREGAÇÃO

Em 21 de novembro de 1923, Pe. Tiago Alberione pediu que as jovens Orsula Rivata (Madre Escolástica Rivata) e Metilde fossem “colocadas a parte” do grupo das Filhas de São Paulo. E elas começaram a habitar na casa do “Divino Mestre” e esperaram em Deus para ver o que aconteceria daquele chamado do Primeiro Mestre, Pe. Tiago Alberione.

No dia 10 de fevereiro de 1924, dia de Santa Escolástica, irmã de São Bento, é a data escolhida para iniciar a Congregação das Irmãs Pias Discípulas do Divino Mestre. A jovem Orsula se torna responsável do grupo de 8 irmãs e Madre Tecla Merlo prepara para vestição destas jovens. A jovem Orsula recebe então o nome desta grande santa, Irmã Escolástica.

Segundo suas anotações do seu caderno sobre este dia, Madre Escolástica escreve:

Era o ano de 1924. Antes de serem feitos os preparativos necessários para a vestição e para o dia 10 de fevereiro, dia de Santa Escolástica, às 10 horas, no horário da tarde, ele fez uma conferência conosco, 8 postulantes, e elegeu uma das duas primeiras, para se responsabilizar pelos outras, e disse na frente de todos:

a partir de agora você se chamará Irmã Escolástica
e convidou as outras também a chamá-la por este nome.

Ele (Pe. Tiago Alberione) falou a elas sobre esta santa, sobre seu poder de intercessão junto a Deus, que até conseguiu um milagre, para que seu irmão São Bento ficasse mais tempo com ela em conversas celestiais.

Ele nos falou sobre a união de Santa Escolástica com Deus, seu espírito de oração, o serviço que prestou às coirmãs beneditinas junto com suas irmãs … (Cadernos)

Transcrição em Italiano do escrito do Caderno de Madre Escolástica sobre este dia.

No dia 25 de março de 1924, dia da Anunciação do Senhor, foi a dia escolhido para a Vestição. Neste dia, oficialmente o Primeiro Mestre dá o nome ao grupo de Pias Discípulas do Divino Mestre. É neste dia também que iniciamos os primeiros turnos de Adoração. No dia 15 de agosto, se dará início também a Adoração Norturna.

NO BRASIL

No dia 26 de julho de 1956, após longa viagem de navio, chegaram da Itália, para a fundação no Brasil as Irmãs: M. Paulina de Lucca, M. Salvatoris Rosa, M. Modesta Grotto, M. Venerina Vaccarisi, M. Giancarla Barale, M. Pasquina Romano e M. Fabiana Lúcido. A primeira moradia foi em casa alugada na Vila Mariana, em São Paulo, onde ingressaram as primeiras jovens brasileiras. Foi logo necessário ampliar o espaço de moradia e de atividade apostólica, transferido para a Via Raposo Tavares, São Paulo em 1961.

Nos inícios, a forte consciência de ser discípulas de Jesus Mestre se expressa na fidelidade à adoração eucarística, no serviço concreto nos seminários paulinos, na produção de materiais a serviço da liturgia e, sobretudo, no testemunho de fé e de confiança na providência de Deus, de dedicação alegre ao trabalho, de caridade na vida comum. Era a maneira como compreendiam colocar em prática as três dimensões do carisma recebido do Espírito na pessoa do Padre Tiago Alberione: Eucaristia, Sacerdócio e Liturgia.

Alguns anos após a chegada das Irmãs no Brasil, terminava o Concílio Vaticano II, e três anos mais tarde, a Conferência Episcopal Latino Americana, em Medellin. No campo da liturgia, era momento de grande fervor e de muitas iniciativas para fazer conhecer e colocar em prática os princípios e as orientações emanadas do Concílio. Tratava-se de devolver ao povo de Deus a consciência do mistério celebrado para que a Liturgia voltasse a ser o que era nos inícios da Igreja, a primeira e mais necessária fonte de espiritualidade (Cf. SC 14).

Nesse ambiente eclesial fomos sendo desafiadas a desenvolver o nosso ministério carismático de maneira bem inserida. Foi ficando claro que o nosso serviço, aqui no Brasil, incluía o amplo horizonte da pastoral litúrgica para levar o povo a participar da Eucaristia e demais celebrações do mistério pascal, de modo ativo e frutuoso (Cf. SC 11).

Assim, ao lado da produção de material destinado ao culto litúrgico, foi criada a Revista de Liturgia e o setor de Arquitetura e também o serviço de assessoria em cursos de formação litúrgica para ajudar a melhor acolher, interpretar e manifestar os tesouros da sagrada liturgia. Hoje, estamos presentes nos Estados de São Paulo, Rio Grande do Sul, Rio de Janeiro, Distrito Federal, Pernambuco e Amazonas.

Deixe uma resposta