Neste mês de setembro de 2020, celebramos o Mês da Bíblia. A Igreja do Brasil propõe o estudo do livro de Deuteronômio.

O título grego do livro significa segunda lei ou cópia da lei: lei, porque o livro tem muito de código legal; segunda, porque outra a precedeu. Os judeus o chamam debarim, ou seja, palavras: porque o livro, até o final do capítulo 33, é um longo discurso de Moisés. Um discurso no qual cabem muitas coisas. Se nos limitarmos a indicações programáticas, apontaríamos: começa o relato retrospectivo (1,1); começa a legislação (4,44); começa a aliança (28,69); começam as bênçãos (33,1). Esta primeira divisão nos diz algo dos diversos materiais e nos dá chaves de leitura.

O Deuteronômio que lemos hoje tem algo de final de sintonia, de conclusão solene. Possui ao mesmo tempo algo de partido, de violentamente interrompido, como se o final não conseguisse chegar à cadência tonal. Final para Moisés, o gigante que saiu do Egito percorrendo sua senda, para encerrá-la no cimo de um monte, sem entrar (ver cap. 34). Final para o povo, porque a massa de escravos saídos do Egito já é um ponto livre, em aliança com seu Deus, equipado de leis e instituições. Acabou seu longo peregrinar à margem da cultura agrícola.

Bom todo o livro do Deuteronômio é uma excepcional riqueza teológica e ética. Superado o esforço da leitura, o Deteronômio surpreende por sua caudal inesgotável.

Acompanhe a proposta de estudo feita pela Verbo Filmes para aprofundamento deste livro. São chaves de leitura que nos ajudarão na compreensão deste livro tão complexo. São dividos em 6 vídeos o estudo proposto pela Verbo Filmes.

Introdução:

2. Livro de Deuteronômio – Deus ouve o clamor do povo oprimido e o liberta

3. Livro de Deuteronômio – Vida digna é direito de todas as pessoas

4. Livro de Deuteronômio – A centralização das festas comunitárias é opressora

5. Livro de Deuteronômio – Os crimes dos governantes provocaram crise e sofrimento do povo

6. Livro de Deuteronômio – É possível acreditar em um Deus ciumento e vingativo?

A lista de todos juntos:

Deixe uma resposta