1º ANO BÍBLICO
junho de 1960 – junho de 1961


O 1º Ano Bíblico celebrado em nível de Família Paulina foi promovido pelo
próprio Pe. Tiago Alberione, de 30 de junho de 1960 a 30 de junho de 1961. Atestam isso as pregações do Primeiro Mestre que envolvem todas as realidades paulinas então existentes. O ano de 1960 foi um ano particularmente abençoado para a Família Paulina: no dia 8 de abril de 1960 foram aprovados os Institutos Agregados Jesus Sacerdote, São Gabriel Arcanjo, Maria Santíssima Anunciada; também em abril aconteceu o curso mensal dos exercícios espirituais em Ariccia, para o qual Pe. Alberione convoca os irmãos da primeira hora; no dia 30 de agosto foi assinada a aprovação pontifícia definitiva das PDDM; as Apostolinas iniciam a revista
Se Vuoi; no dia 14 de outubro a Sociedade Bíblica Católica foi elevada a Pia União Primária pelo Papa João XXIII; entre os dias 31 de outubro e 3 de novembro foi feita a exumação do Cônego Chiesa, trasladado para o Templo São Paulo de Alba.

Os anos bíblicos

Ao lançarmos um olhar global, podemos quase reconhecer na nossa história uma particular ação bíblica a cada trinta anos:

1900-1901: Na noite que dividiu os dois séculos, a primeira grande iluminação que toma então forma e desenvolvimento, encontrando
na Palavra e na Eucaristia as duas fontes vitais (cf. AD 139-145);

1930-1931: A primeira edição da Bíblia da Casa tem sua data de nascimento no Natal de 1927: trata-se de uma Bíblia para a família ilustrada em fascículos, com assinatura anual no valor de 18 liras. As edições bíblicas continuam em ritmo crescente. Em 1931, dos fascículos se passa à Bíblia completa, à Bíblia em volumes, à Bíblia nas principais línguas… edições inteiras da Bíblia e edições bilíngue de alguns textos. Primeira Bíblia “Paulina” segundo Pe. Guido Gandolfo.
 1960-1961: Celebrado o 1º Ano Bíblico de Família Paulina.
 1990-1992: Celebrado o 2º Ano Bíblico de Família Paulina.
 2020-2021: Celebração do 3º Ano Bíblico de Família Paulina.

Objetivos

 Celebrar um Centenário paulino. “Do final do ano 60 até o final da primavera de 61 aconteceu a viagem de São Paulo que do Oriente vai a Roma. Chegou a Roma por volta do mês de abril de 61. E este ano, como é o centenário, de 30 de junho de 1960 a 30 de junho de 1961 façamos o ano bíblico” (Alle SGBP3 1960, 396. Cf. também 559-560. Alle PD 4 1960, 85.117.181-182).
 Tornar nosso o programa do papa João XXIII (28.10.1958-3.6.1963). Ler
com atenção o discurso ocorrido no dia 23 de novembro de 1958 por ocasião da tomada de posse da Basílica Lateranense, tudo centrado no revigoramento bíblico, com o título “O livro e o cálice”. “É preciso escutar o
Papa João XXIII que disse: Entre todas as preocupações e cuidados que me
foram propostos no início do pontificado, a principal é esta: favorecer tudo
o que leva a exaltar e difundir o Livro sagrado” (Alle FSP6 1960, p. 126).
 Que a Sociedade Bíblica Católica Internacional prospere (Alle PD 1960,
188). Não esqueçamos que a Sociedade Bíblica Católica foi elevada ao grau
de Pia União Primária, em 14 de outubro de 1960, no coração do Ano Bíblico (CISP7 503ss; Alle FSP 1960, p. 349-350). Já se passaram 25 anos da transferência da sua sede de Alba para Roma.
 Difundir a Bíblia. “Para a máxima difusão da bíblia e do evangelho” (Alle
SGBP 1960, 396). “O objetivo seria este: que se fale da Bíblia, se difunda a
Bíblia, e que em cada família entre a Bíblia! Seja colocada em lugar de de
honra, seja lida com reverência…” (Alle AP8 1960, 69). “Quando iniciamos
a difusão do Evangelho em 1921/22, difundíamos especialmente três imagens para que Maria nos obtivesse a luz do Espírito Santo para ler a Bíblia…” (Alle PD 1960, 184).
 Formar à Bíblia. “Neste ano façamos o ano bíblico, isto é, o ano da formação à bíblia” (Alle SGBP 1960, 558).
 Levar a Bíblia a cada família. “A Bíblia em cada família, se deveria conseguir. Nos anos 1920/22 eu escrevia na Vida Pastoral e no Cooperador: Em cada família haja o Crucifixo, haja o quadro de Nossa Senhora e haja o
Evangelho. Agora digamos, com um passo à frente: Em cada família: o Crucifixo, o quadro de Nossa Senhora e a Bíblia completa. Que seja bem honrada e que seja lida e que venha a ser colocada em prática” (Alle PD 1960, 91). “Propor-se que entre em cada família possivelmente toda a Bíblia ou pelo menos o Evangelho” (Alle FSP 1960, p. 127).

Modalidade

 Informar e sensibilizar. “Faltam ainda vários dias para o início do Ano Bíblico, mas já enviamos os convites, para que este ano seja celebrado com
fruto. E se está imprimindo tudo quanto se refere aos párocos, para que nas
paróquias se difunda a Bíblia, e também acontecerão semanas ou tríduos
bíblicos, para que o povo compreenda o que é o livro sagrado e quais bens
se devem obter da leitura daquele livro santo, livro de Deus” (Alle AP 1960,
71).
 Organizar cursos bíblicos. Fala-se de um curso bíblico a distância com média de 300.000 participantes (Alle SGBP 1960, 390). “Cada mês chegava a
lição e então se podia corresponder. Podia-se responder ou fazer perguntas
por carta” (Alberione lamenta o fato de muitos não inserirem o valor do
selo), causando um passivo significativo.
 Promover semanas bíblicas. Fala-se em 1365 semanas bíblicas, 4000 conferências, além da difusão de 1.225.000 evangelhos (Alle SGBP 1960, nota 393). “As irmãs, as Filhas de São Paulo fazem muitas jornadas bíblicas ou as jornadas do evangelho. Nas paróquias de vocês já houve? Sim? As Filhas estiveram aí?”
 Encontrar pessoalmente homens e mulheres. Fala-se de tríduo e de visita
bíblica às famílias. “Penso que nas paróquias onde vocês estão não há necessidade de mandar as Filhas de São Paulo… Penso que vocês mesmas podem promover um tríduo e nestes dias visitar todas as famílias levando a bíblia completa ou pelo menos o evangelho, e se é possível o novo testamento” (Alle SGBP 1960, 558). “São necessárias as pregações, se entende. E há instruções para realizar estas jornadas ou estes tríduos ou estas semanas” (Alle SGBP 1960, 560).
 Oferecer um ponto de referência. “É preciso dirigir-se ao Pe. Lamera, o qual tem a iniciativa. Dirigir-se a ele escrevendo” (Alle SGBP 1960, 561).
 Expor o Livro sagrado. “Neste ano empenhar-se assim: o livro sagrado bem exposto nas vossas casas, o evangelho, tendo respeito por ele colocando também as flores” (Alle SGBP 1960, 562).
 Promover a leitura da Bíblia. “Ler sobretudo os livros históricos, se fizerem a leitura nas refeições; se se faz a leitura na igreja, os livros proféticos, os livros didáticos” (Alle SGBP 1960, 562). A respeito da leitura da Bíblia há uma inteira meditação nos nn. 572-604. “Que seja lido este livro… Lê-se a Bíblia para colocá-la em prática e para vivê-la… Lê-la para vivê-la, meditála para vivê-la, meditá-la para dar honra a Deus que é Verdade” (Alle AP
1960, 70; Alle PD 1960, 183-184). “Para que possamos ter a graça de dála aos outros, é preciso que nos nutramos dela. Quando estamos cheios dos
pensamentos, dos exemplos que estão nas Escrituras… então obteremos a
graça para os outros” (Alle FSP 1960, p. 21). “Este ano a leitura principal
seja esta, para que possamos ter a graça de dá-la aos outros… Organizem
uma divisão, um programa, para que seja bem lido” (Alle FSP 1960, pp.
127.131-143).
 Difundir a Bíblia. “Para a máxima difusão da bíblia e do evangelho” (Alle
SGBP 1960, 396). “O objetivo seria esse: que se fale da Bíblia, se difunda a
Bíblia, e em cada família entre a Bíblia! Seja colocada em lugar de honra,
seja lida com reverência…” (Alle AP 1960, 69). “Quando iniciamos a difusão do Evangelho, nos anos 1921/22, difundíamos especialmente três imagens para que Maria nos obtivesse a luz do Espírito Santo pra a leitura da
Bíblia…” (Alle PD 1960, 184). “O ano bíblico deve ser de verdade um ano
no qual nos empenhemos na difusão… casa por casa, as semanas bíblicas,
as semanas do Evangelho, a oração… Portanto o que se refere também à
técnica, as livrarias, as próprias agências de cinema, pois não estão separadas as agências quanto ao pensamento… (É o ano das Olimpíadas.) A tocha e o Evangelho a todos os continentes. O Evangelho é a tocha de vocês. Vocês são chamadas para isso. A Igreja as aprovou nessa condição, segundo esse fim. Vocês têm pouco a olhar nas outras famílias” (Alle FSP 1960, pp. 128-129). “Difundir a Palavra de Deus. Como você poderiam sonhar com uma vocação mais bela? Vocês a compreenderam? É trabalho dos sacerdotes e Deus o deu a vocês também… não sejam simplesmente colaboradoras, mas mais que isso: colaboradoras que, em certo sentido, podem fazer, às vezes, mais que o próprio sacerdote” (Alle FSP 1960, p. 340).
 Oração para a acolhida da Bíblia. “Rezar para que a Bíblia seja acolhida
por todos. Seja acolhida como o livro de Deus e seja colocada em lugar de
honra, bem exposta e se dê a ela um grande respeito” (Alle AP 1960, 70; cf.
também Alle PD 1960, 92-93). “Quanto mais belas são as adorações se o
tema é bíblico” (Alle PD 1960, 187).
 Construir um altar a São Paulo caracterizado na basílica Rainha dos Apóstolos, circundado pelos doutores que amaram o Evangelho (Alle PD 1960, 189).

2º ANO BÍBLICO

25 de janeiro (ou 4 de abril) de 1991 – primavera de 1992

Precedido por um Breve Curso organizado pelo Centro de Espiritualidade.
Objetivos (Pe. Renato Perino)
 Relançar o sentido e o fim do nosso serviço à Palavra de Deus.
 Revitalizar a frequência cotidiana da Palavra em tríplice nível: pessoal (leitura), comunitário (culto: adoração, retiros, exercícios), apostólico (editar uma Bíblia Pastoral, relançar a SOBICAIN (Sociedade Bíblica Católica Internacional), adotar uma política de custos acessível, repensar o canal de
difusão com um envolvimento global).
 Reativar em todos os níveis e difundir o mais possível a SOBICAIN com o
seu patamar de iniciativas promocionais e pastorais.
Para tal objetivo, propor algumas Jornadas Paulinas de Espiritualidade Bíblica a partir das quais se baseará o Ano Bíblico.

Primeira iniciativa:
22-25 de outubro de 1990, Ariccia: Jornadas Paulinas de Espiritualidade Bíblica Participaram os Superiores Maiores da Pia Sociedade de São Paulo (Paulinos) e os representantes de toda a Família Paulina. A atenção se voltou a três temas:
 O patrimônio que, no setor bíblico, a história nos entregou.
 Os fundamentos escriturísticos sobre os quais se apoia a nossa espiritualidade bíblica.
 A contribuição que somos chamados a dar no contexto em que vivemos e
trabalhamos.
 Dos grupos de trabalho emergiram algumas propostas interessantes para
as comunidades e para o apostolado.

Ao que se refere às comunidades:

  • Leitura comunitária das Cartas de São Paulo
  • Favorecer comentários sobre os Salmos para a oração litúrgica
  • Elevar o nível do conhecimento bíblico de todos os membros através de
    momentos formativos
  • Valorizar a entronização da Palavra
  • Preparar-se à liturgia do Domingo com a prática da lectio divina
  • Definir em todas as comunidades da Família Paulina o dia 25 de janeiro
  • como o dia de entronização da Bíblia

Ao que se refere ao apostolado:

  • Organizar jornadas e missões bíblicas
  • Criar um fundo que sustente a distribuição da Bíblia em lugares mais pobres do mundo
  • Organizar cursos bíblicos sistemáticos para o povo
  • Ter atenção aos novos meios e linguagens.

Segunda iniciativa:
19 de dezembro de 1990, Dossiê do Centro de Espiritualidade Paulina: Repartam o Pão da Palavra

Não se trata apenas de propor as relações do encontro de outubro, mas de oferecer roteiros de adoração para as comunidades e solicitar a reflexão através das propostas que emergiram.


Terceira iniciativa:
16-21 de fevereiro de 1991, Ariccia: IX Encontro dos Governos Gerais da Família Paulina

Intervenções de aprofundamento que se concluem com uma mensagem na qual é confirmado “o primado da Palavra, assim fortemente paulino e também alberioniano” como “irrenunciável para cada uma das nossas Congregações ou Institutos”. Em base a isso se recomenda “a frequência contínua à Palavra, que se torna, com o exemplo de Maria, escuta obediente, conhecimento amoroso, celebração e dedicação apostólica”.
Tudo isso foi recolhido no Dossiê: A Palavra de Deus em Padre Alberione.

Pe. Giacomo Perego, ssp
Coordenador Internacional do Centro Bíblico San Paolo

Deixe uma resposta