“E aconteceu que eles estando ali,
se cumpriram os dias em que ela havia de dar à luz.
E deu à luz seu filho primogênito e envolveu-o em panos,
e deitou-o em uma manjedoura,
porque não havia lugar para eles na estalagem. ” (Lc 2,6-7)

A espiritualidade natalina nos convida a celebrarmos a chegada da grande luz que é Jesus. É um convite para olharmos nossa trajetória e nos perguntarmos: “Estou sendo luz na vida dos solidários, dos doentes, dos perturbados e dos empobrecidos? ”. Essa luz é relação, comunicação e comprometimento com o amor para conosco e para com o nosso próximo. É disso que nos conscientiza o Advento, ele nos iguala na experiência espiritual na luz do Natal. A disciplina do Advento nos ensina a fazer bem as pequenas coisas, amando sem acepções de pessoas, até porque a criatividade generosa do espírito natalino está na paz enraizada nos corações dos homens e mulheres de boa vontade.

O Natal é nosso lembrete anual de que a luz que escolhemos abraçar e acolher em qualquer nível está lá para nós sempre brilhando intensamente, esperando corações que queiram acolher e compartilhar a luz que habita seus corações. Acolhendo essa luz assumimos a
fertilidade do seu significado, ou seja, vivenciaremos uma busca do nosso verdadeiro EU, que se encontra adormecido dentro de nós.

Infelizmente, o simbolismo e o significado do Natal foram deturpados por nosso EGO ferido, na busca da constante dos lucros, do ter, do prazer e do poder. Precisamos passar por um esvaziamento para vivenciarmos o sentido originário do Natal. Isso pode ter apenas uma
explicação: as pessoas encontram-se vazias por dentro! Do contrário, não esvaziariam as demais coisas de seu sentido originário.

Por isso, Deus Se desprendeu do céu, rumando ao mundo terreno, encarnado no ventre de Maria, para que pudessem ser reatados os laços com a luz. Cristo, como uma parte do Criador, serviu de ponte para que a humanidade pudesse despertar do seu sono espiritual. No entanto, poucos ouviram a sua Palavra, conforme o seu sentido originário. A maioria interpretou segundo os seus interesses, sendo que ocorreu a perda do seu significado, geração após geração. O nascimento do Menino Jesus foi usurpado pelo Papai Noel e isso foi desviando a proposta do nascimento e renascimento do amor, que é celebrar o nascimento do verdadeiro sol, ou seja, Cristo, que apareceu no mundo depois de uma longa noite de trevas. O natal do Senhor nos alerta a lutar contra as trevas da hipocrisia, contra as trevas da corrupção, contra as trevas da miséria que vem assolando milhões de filhos e filhas de Deus. A celebração do Natal não pode ser desperdiçada em recordações sentimentais ou discursos polêmicos, mas valorizada como dom de amor, de verdade e de esperança para todos os homens e mulheres de nosso tempo.

Portanto, a luz da espiritualidade natalina revela para nós que uma estrela brilhou intensamente no céu e sua luz desceu sobre um menino chamado Jesus. Aí começou o Natal, por meio de uma luz, um Natal de luz. Isso para dissipar as trevas, pois, como cantamos, “A luz
resplandeceu em plena escuridão, jamais irão as trevas vencer o seu clarão”. É essa a proposta verdadeira do Natal. Sejamos confiantes e cheios de esperanças para a construção de um mundo mais fraterno e cheio de compaixão.

Que o espírito do Natal alcance cada um de nós como uma força avassaladora e nos revista de empoderamento da justiça e da paz! E que nossos corações sejam verdadeiras manjedouras para acolher a luz que vem para habitar e renascer nos nossos corações! Não se esqueça: Natal feliz é Natal com Cristo!

Pe. Kleber Farias, OMI

Deixe uma resposta