Recordamos 12 DE JULHO: MASCIMENTO DE MADRE ESCOLÁSTICA RIVATA, a primeira irmã Pia Discípula do Divino Mestre. Na nossa Congregação, celebramos o DIA DAS PRÉ-POSTULANTES, que são todas aquelas aspirantes à vida religiosa. Confiamos à intercessão da Venerável Madre Escolástica todas as vocações da nossa família religiosa.

Abaixo, alguns vídeos importantes:

12 DE JULHO: MASCIMENTO DE MADRE ESCOLÁSTICA RIVATA

Nesta bonita recordação, trazemos abaixo um trecho do trabalho final de Ir. Chris Amador, pddm da Venezuela, sobre o estudo das fotografias de Madre Escolástica nos diversos tempos da vida da Madre Escolástica. Esta análise do seu rosto como um elemento comunicador da beleza de Deus na vida da Venerável Madre Escolástica.

Acompanhemos:

A beleza de um rosto que fala

Através do rosto, mostramos os nossos sinais, gestos, que falam de nós ou algo que queremos expressar, isto é, comunicamos. Ao comunicar, mostramos emoções que transmitem pensamentos. É por isso que o rosto é um meio de comunicação aberta de algo profundo sobre uma pessoa. Emoções dizem medo, alegria, surpresa, etc. Tudo isso se vê no rosto humano. À vezes, nosso rosto está triste e queremos disfarçar com um sorriso, mas certamente isto não soará como autêntico.

Mesmo que a análise de um rosto possa ser muito profunda, com simplicidade podemos conhecer algumas realidades da pessoa como os olhos e a boca aberta podem expressar notícias importantes, enquanto se você ver um sorriso imediatamente está associado à alegria que pode variar na manifestação de contentamento, de serenidade.

Esta informação nos convida a considerar com atenção o rosto que comunica um conteúdo, e indica um forte caráter vital, ou seja, comunica algo sobre a vida da pessoa, sua psicologia, seu pensamento, seus sentimentos.

Nesse sentido, observar o rosto da Irmã Escolástica Rivata, além de uma memória de gratidão, traz à luz o conhecimento de sua pessoa, seus sentimentos e pensamentos, significa deixá-la contar sua história sem palavras. O silêncio iniciado em 1924, com a primeira entrega da sua vocação e que a conduziu a uma profunda intimidade com o Divino Mestre, nos fala hoje através do seu rosto.

Na verdade, o rosto da Irmã Escolástica sempre falou, sempre comunicou a todos aqueles que quiseram ouvir algo sobre ela, mas, acima de tudo, este rosto sempre comunicou Deus. “A paz inalterada de sua alma pode ser atribuída ao pensamento do paraíso, que se tornou transparente no rosto relaxado e no sorriso habitual”. Mas também numa leitura histórica da sua vida e presença como piedosa discípula.

Olhando para o seu rosto, aquele já marcado pelas dobras da vida, encontramos todas as linhas horizontais, verticais e transversais que tecem a história das suas relações com Deus, com os irmãos, com a criação, consigo mesma. O rosto da Madre Escolástica é a síntese do que ela foi na aventura interior da fé, tão provada e tão luminosa. A provação não conseguiu endurecer as feições desta mulher apaixonada por Cristo, pela Igreja, pela Família Paulina, pelo destino do mundo.

Com esta simples passagem podemos tentar descobrir como uma pessoa pode tornar-se bela, comparando-se com aquela palavra do Cardeal Martini de que “nenhuma negação da beleza é tão triste como a que vem de quem com toda a sua vida foi chamado a ser a testemunha do amor crucificado e, portanto, apóstolo da beleza que salva ” (Questões Teológicas vol. 39, n. 92, julho/dezembro 2012, 355). A caminhada da Escolástica evidencia um aspecto do discipulado, segundo o pensamento de Pe. Alberione dentro da espiritualidade paulina.

2. Itinerário fotográfico

2.1. UM BOM COMEÇO (1897-1921)

Em 16 de abril de 1896, Lucia Alessandria e Antonio Rivata se casaram na igreja paroquial de San Martino. Com simplicidade, celebram o seu amor no nascimento da sua primogênita, pouco depois, em Guarene, numa quarta-feira, 12 de julho de 1897. Ela foi batizada no dia seguinte na igreja paroquial dos Santos Pedro e Bartolomeu e recebe o nome de Orsola.

Orsola pertence a uma família profundamente cristã. Terá duas irmãs e um irmão, nascido em 3 de abril de 1904, que falece pouco tempo depois. A infância da pequena Orsola se alimenta do bom exemplo de seus pais, mas ela conhecerá imediatamente o rosto da dor porque ficou órfã de sua mãe aos 6 anos (8 de julho de 1903). Este será seu primeiro encontro com uma realidade que marcará sua vida. No entanto, a experiência da morte de sua mãe a aproximará da Santíssima Virgem Maria. Em 1941 deixa a memória deste período em que, já à luz da maturidade de vida em Cristo, se consegue uma bela releitura:

E a vida parecia não ter nada além de rosas e fúria. Amada por bons pais e rodeada dos mais atenciosos cuidados, dias felizes se passaram. Com minha voz argentina enchi a casa de trinados festivos e atormentei minha mãe com mil perguntas, tenho querida mãe! aqueles dias eram lindos demais, a prova tinha que vir para visitar este pequeno ser despreocupado.

A nova situação a ajudará a crescer em responsabilidades, especialmente no cuidado das duas irmãzinhas, no ambiente camponês. Em 1904, aos 7 anos, recebeu pela primeira vez Jesus eucarístico, e este primeiro encontro iria começar a marcar o ritmo da sua vida, num caminho de amor partilhado pelos outros. Em 10 de outubro de 1909 recebeu o Sacramento da Confirmação de Dom Giuseppe Re, Bispo de Alba.

Frequentou o jardim de infância das Irmãs Cottolengo e depois a escola primária. Também amante do bem intelectual, alimenta-se de bons livros. Orsola é uma menina bonita, “parecia um anjo”, que sabe ajudar onde há necessidade, colabora com o pai no campo e se enche de toda a beleza que a natureza oferece uma alma de vida interior, precisamente a contemplação do o bem supremo, onde o silêncio do lugar trouxe sua união com Deus.

Ao mesmo tempo em que na simplicidade do tempo adquire uma consciência profunda do trabalho, cresce também na virtude e nos dons do Espírito Santo, especialmente na força que a dispõe para superar com força sobrenatural muitas provações da vida. Em 1912-1913 trabalhou como operária na fiação De Fernex em Alba e aqui conheceu Eufrosina Binello que mais tarde se tornou Maestra Margherita FSP, irmã de Teresa Binello, uma das primeiras 8 Pias Discípulas.

Com tudo isso, ela continua a crescer e se tornar uma garota comum, sem nada de especial, para o que era normal poder direcionar sua vida para o casamento. Mas em seu coração ela cultivou uma relação vital e esponsal com Deus que a leva a recusar uma proposta de um bom jovem, só depois de ter orado porque desde muito jovem começou a desfrutar da beleza de estar na casa do Senhor.

Quando o Senhor tem planos para uma alma, Ele mesmo a conduz ao longo do caminho que deseja. Meu pai estava pensando em outra coisa e um dia antes de ir à missa ele me disse: na saída da igreja está um jovem que me pediu sua mão, olha para ele e se você gosta dele é um bom jovem , que está feliz com seus bens e você pode ser feliz com ele. Não dei importância às suas palavras, mas depois da missa, voltando para casa ele me tomou como uma espécie de medo e entrando na casa fui encaminhado para o meu quarto onde havia uma bela estátua do Sagrado Coração. Mecanicamente, independentemente do que eu estivesse fazendo, eu estava na frente do Sagrado Coração e disse a ele: Senhor, só você e basta. Desci a escada e fui até a casa do meu pai dizer: não, não aceito a mão dele. A partir daquele momento mudei muito no meu trabalho e não me contentava em mortificar-me, rezar constantemente, missa todas as manhãs, confissão semanal e comunhão…”. (SRqd_004. AGPDDM) .

A partir desse momento, a vida de Orsola entra decisivamente num caminho repleto de belos momentos, mas também de muitas provações, para que, na intimidade entre Deus e ela, haja um primeiro pacto de amor, ignorando tudo o que isso implicará para a sua vida. Não é difícil imaginar o momento: ela com a energia da juventude, com uma piedade simples, mas com muita fé.

Nestas poucas linhas valorizamos também a relação com o pai, a maturidade de Úrsula, a forma de tomar a decisão, quase como um método de discernimento, cheio de oração, silêncio, tempo, liberdade e autoconhecimento, marcam um caminho de estar na frente do mundo. Com esta escolha, Orsola demonstra que experimentou o bom, o belo e responde optando por ele.

12 DE JULHO: MASCIMENTO DE MADRE ESCOLÁSTICA RIVATA

Para este período tão importante ela deixa a lembrança de uma fotografia familiar já que está com suas irmãs Giuseppina, e Clotilde que mesmo sendo mais jovens que ela e muito parecidas nos olhos e também na expressão doce do rosto, ela parece o menor. Podemos dizer que é uma memória, certamente para o pai, ter a memória de suas lindas filhas. Seus olhos grandes são observados com o olhar fixo quase pronto para ser observado, ela não sorri, mas parece serena; aqui você pode observar uma delicada feminilidade, beleza e ordem na forma de se apresentar.

A família Rivata é simples, camponesa, mas, na pobreza, não falta amor. Ela revela os valores aprendidos na primeira escola, a do lar. Irmã Escolástica (Orsola) na foto em preto e branco, mostra um fundo escuro, é uma foto delicada e bem feita mesmo com sombreamento, dá para ver a iluminação de um lado do rosto; esta abordagem refere-se a um mistério a ser descoberto, no início de uma vida que se tornará luz para muitos.

Vemos um olhar fixo que ao longo dos anos continuará a repousar sobre o seu único amor, Jesus Mestre na Eucaristia, parece pensativa, talvez no mistério que comove o seu coração e que só ela conhece, a chama da vocação, o mistério de uma chamada e o desafio de uma grande resposta. Seus lábios estão suavemente fechados, nós a vemos com o requinte de uma mulher de sua época, também adornada com orelhas e uma medalha.

Orsola Rivata, a protagonista do acontecimento que ela própria narrou, era a rapariga bonita com chapéus castanhos claros, ligeiramente ondulados, presos num coque na nuca ou esvoaçando graciosamente nos ombros da jovem. De delicada tez rosada com rosto redondo e agradável, em que se destacavam dois olhos castanhos com pintas douradas. Um look inteligente e expressivo que manterá a clareza da inocência até a velhice. Graciosa em atear fogo, em administrar, ela se tornava agradável e era procurada e popular.

A vida espiritual de Ursula pode ser vista em sua vida paroquial, onde pertence às Filhas de Maria, ela entende e saboreia o valor e a beleza da Liturgia. “Pela sua delicada sensibilidade, nas ações sagradas apreendeu o valor da Beleza, nela se alegrou por si e pelos outros, tornando-se consciente e atento em louvar a Deus, em prestar-lhe pessoal e coletivamente o devido culto”. Ainda se na fotografia ele tem os lábios fechados, ela sabe abri-los para louvar a Deus: “dotada de uma voz afinada e harmoniosa, usava-a sobretudo para louvar ao Senhor, sobretudo na igreja”. A sua virtude ou característica era a alegria, a alegria, capacidade de iniciativa com porte digno e respeitoso e, assim, dia após dia, sente-se cada vez mais atraída por Deus e cresce no desejo de consagrar-se a ele.

São muitos os aspectos que dizem como Deus agiu no coração de Úrsula fazendo-lhe a alma aos poucos mais lindamente através do alimento espiritual, como ela mesma dizia: “quando Deus tem um projeto para uma pessoa, ele mesmo a guia”, como ele conta recordando que Tempo: Muitas vezes o meu pároco convidava, para a celebração eucarística, que o sacerdote de Alba, Pe. Alberione, vinha pregar. De bom grado, fui escutar a homilia do padre Alberione. Escutei-o com muita atenção, sobretudo na festa de Santa Úrsula, minha padroeira, festa das filhas de Maria.

O seu amor pelo bem intelectual a leva a ir à livraria e aí encontra o Pe. Alberione, encontro decisivo para a sua vida e vocação. Ela o conhece duas vezes consecutivas e, na segunda vez, é convidada a entrar em São Paulo. Ela vai demorar um pouco mais para chegar acompanhada de seu pai.

Ele indaga sobre minhas intenções para o futuro, e após algumas respostas me pergunta: Então, quando você pretende entrar em São Paulo? Ela responde: “em meu nome até imediatamente, mas as dificuldades da família me impedem …“.

Parte do trabalho final da Ir. Chris Amador, pddm, da Venzezuela. Elaborato finale del corso del carisma della Famiglia Paolina 2013-2014, Roma, Itália, La bellezza di Madre Scolastica Rivata, Una fotostoria, Studentessa: Suor M. Chris Amador F. Pddm e Relatrice: Suor M. Joseph Oberto pddm

12 DE JULHO: MASCIMENTO DE MADRE ESCOLÁSTICA RIVATA
12 DE JULHO: MASCIMENTO DE MADRE ESCOLÁSTICA RIVATA
Os Amigos do Divino Mestre prepararam este lembrete sobre este dia: 12 DE JULHO: MASCIMENTO DE MADRE ESCOLÁSTICA RIVATA

Deixe uma resposta