ABERTURA DO ANO JUBILAR PDDM

O Espírito do Senhor está sobre mim;
Ele me enviou para proclamar o ano da graça do Senhor
(cfr Is 61; Lc 4,18-19).

Com o passar do tempo, muitas coisas serão realizadas
que agora não se pode imaginar,
desde que sejais fiel a sua vocação,
na docilidade e na fé.

Na Família Paulina nascente, a comunidade
das irmãs cresce em espírito de adoração e de serviço (RV 4).

No dia 21 de novembro, segunda-feira, recordamos a abertura do Ano Jubilar em preparação ao Centenário da Congregação. Nós celebramos na Casa Provincial, às 7h, e presidiu a celebração o pe. José Erivaldo Dantas, ssp.

Na sua homilia, Pe. Erivaldo falou da liturgia do dia, sobre a Memória da apresentação de Nossa Senhora. Sobre a alegria de celebrar o Centenário, o presbítero usou uma imagem interessante e bonita. Disse que já teve oportunidade de celebrar 100 anos de um tio. Momento de alegria e festividade para toda família. Mas pediu para ver como aquela pessoa chega aos 100 anos: chega bem, dentro do possível, com saúde e perspectivas ou chega cansada, triste e com dificuldade. Assim ele pediu que fizéssemos também a nossa avaliação desta chegada aos 100 anos.

Participaram presencialmente da celebração algumas Irmãs das Comunidades das Pias Discípulas em São Paulo. Como os ouvintes de Jesus na sinagoga de Nazaré, acolhemos o dom particular de um Ano de graça, revisitando o passado com gratidão, o presente com compromisso e o futuro com esperança.

Estamos concluindo o ano litúrgico na Solenidade de Cristo Rei do Universo e também nós, como toda a Igreja, estamos prestes a abrir um novo ano da graça, olhando para a realização do Reino, inaugurado por Jesus.

Em 21 de novembro de 1923, o pe. Alberione “colocava a parte” as duas primeiras Irmãs: foi um ato de preparação para a obra que há muito tempo ele guardava em seu coração, à luz do Espírito, como ele diria: «Em 1908 comecei a rezar e pedir orações para que nascesse uma Família religiosa de vida retirada, dedicada à Adoração e ao apostolado sacerdotal e litúrgico: toda de Jesus Divino Mestre presente no Mistério Eucarístico».(APD 1946-47, 21. Outras referências no mesmo volume nos números 42. 50. 129. Tradução retirada do livro CESARATO, Regina. A árvore vista a partir das raízes volume 1. Manuscrito de uso interno, 1997, p. 61).

Um pouco da nossa História presente na Regra de Vida PDDM

  1. Padre Tiago Alberione (1884-1971), na memória de santa Escolástica (10 de fevereiro de 1924), inicia em Alba (Itália) a Congregação das Pias Discípulas do Divino Mestre. Escolhe Orsola Rivata (1897-1987) para ser sua colaboradora em Cristo. Chama-a com o nome de Escolástica, que significa “discípula”, e lhe confia a primeira comunidade de irmãs.

2. Tiago Alberione nasce em uma família camponesa e pobre, onde foi educado numa sólida vida cristã e ao trabalho.
Aos sete anos, sente-se “iluminado” e declara: «quero ser padre». Nesta direção orienta “o estudo, a piedade, os pensamentos, o comportamento e até o lazer”.
Ordenado presbítero, torna-se membro da Associação dos Sacerdotes Adoradores. No seminário de Alba empenha-se na formação ao presbiterado, atento aos movimentos de renovação socioeclesial.

3. A experiência eucarística que o seminarista Tiago Alberione vive na noite de passagem entre os dois séculos (1900-1901) é “decisiva para a missão específica e o espírito particular no qual nasceria e viveria a Família Paulina”.
Em resposta ao convite evangélico «Vinde a mim todos», sente-se obrigado a preparar-se para fazer algo para o Senhor e a humanidade do seu tempo, unificando tudo em Cristo Mestre, Caminho, Verdade e Vida.
Quando ressoa a hora de Deus, padre Alberione dedica-se totalmente ao apostolado da Imprensa, confirmando o chamado à evangelização nas fronteiras inexploradas do mundo da comunicação.
Aberto aos sinais dos tempos, associa a mulher na diversidade e na complementaridade dos carismas, para a vida e a missão da Igreja.
Considerando a situação religiosa do mundo, a partir de 1908 começa “a rezar e a pedir orações” para o nascimento de uma Família religiosa “toda de Jesus Divino Mestre presente no Mistério eucarístico”.
A nossa Congregação se torna memorial da experiência carismática do Fundador: reza e trabalha para que a humanidade acolha, escute e ame Jesus Mestre e Salvador.

4. Guiado pelo Espírito e confirmado pelo Cônego Francesco Chiesa (1874-1946), seu diretor espiritual, o Fundador reúne as primeiras jovens na casa Divino Mestre e, em colaboração com Madre Escolástica, forma-as para uma nova missão em vista do advento do Reino de Deus no mundo.
Na Família Paulina nascente, a comunidade das irmãs cresce em espírito de adoração e de serviço.
Caracteriza-se pela fé heróica, pelo trabalho assíduo e pelo amor mútuo, na alegria, no silêncio e no habitual recolhimento.
Encontramos este estilo de vida nas páginas evangélicas que inspiraram a Oração de Betânia.


5. O evento fundacional da nossa Congregação amadureceu na Igreja com alternadas vicissitudes que trazem o selo da Cruz. Padre Tiago Alberione institui inicialmente as Pias Discípulas do Divino Mestre “distintas e separadas” das Filhas de São Paulo, mas, por vicissitudes canônicas, foram a estas associadas em uma única aprovação. A interferência do Fundador, de Madre Escolástica e a oferta de vida do padre Timóteo Giaccardo (1896-1948) contribuem ao reconhecimento eclesial e institucional da nossa Congregação. No dia 3 de abril de 1947, quinta-feira santa, foi promulgado o decreto da aprovação diocesana. O nosso carisma exprime mais nitidamente a sua índole universal e a sua eficácia apostólica na aprovação pontifícia, concedida no dia 12 de janeiro de 1948 e ratificada definitivamente no dia 30 de agosto de 1960. O discernimento eclesial expresso com a beatificação de padre Tiago Alberione nos confirma na vocação recebida.

6. Participamos do projeto unitário da Família Paulina: viver e comunicar Jesus Cristo, Caminho, Verdade e Vida, à humanidade de hoje com os meios mais rápidos e eficazes que o progresso humano oferece.
A nossa Congregação, chamada a cultivar a comunhão, “vai à raiz da videira, para obter a linfa que alimentará a planta, e assim dar frutos de santidade e de apostolado”.

7. Conquistadas por Jesus Mestre, contemplamo-lo e seguimo-lo no Mistério Pascal. Ele vive e se forma em nós no dinamismo do ano litúrgico e, com a força do seu Espírito, transforma a nossa vida em culto agradável a Deus.
Maria, Rainha dos Apóstolos, nos introduz à escola de Jesus Mestre e nos ensina como amá-lo e anunciá-lo na vida de cada dia.
São Paulo, apóstolo e místico, guia-nos no ardor da caridade até ao “não sou mais eu que vivo, mas é Cristo que vive em mim”.

8. No mistério da Igreja, povo de Deus, formamos comunidades onde se acolhe, se escuta e se serve ao Senhor, na multiplicidade das suas presenças com a nossa específica missão.
Como Maria, imagem da Igreja, dóceis ao Espírito, guardamos a Palavra e a colocamos em prática, até sermos um só coração e uma só alma..

9. Pela ação do Espírito Santo, recebemos “a graça do apostolado” em Jesus Mestre, Caminho, Verdade e Vida.
Como Maria, Mãe de Deus, e as mulheres do Evangelho, transformadas pelo encontro com o Ressuscitado, Beleza que salva o mundo, somos enviadas, apóstolas com os apóstolos, a anunciálo, a celebrá-lo e a servi-lo.
Do amor a Jesus vivente na Eucaristia, no Sacerdócio e na Liturgia nasce o nosso apostolado orientado à glória de Deus e à paz da humanidade.
No espírito do apóstolo Paulo, que se fez tudo para todos, acolhemos com discernimento os valores e as tradições dos diversos povos e nos empenhamos no diálogo ecumênico e inter-religioso para o anúncio da novidade evangélica.

11. Continuamente damos graças a Deus que nos chamou a ser discípulas do seu Filho Jesus, nosso Senhor e Mestre.
A voz do Espírito Santo, na profundidade do nosso coração, nos coloca em sintonia com o carisma de padre Alberione, vivido pela Família Paulina de geração em geração. “Tudo é de Deus, tudo nos leva ao Magnificat!”.

  1. Percorremos o itinerário de cristificação, vivido pelo Fundador. Em Jesus Mestre, Caminho, Verdade e Vida, ele se deixou gradualmente transformar em verdadeiro homem de Deus e em apóstolo dos novos tempos.
    Ressoa também em nós a Palavra de Jesus: «Vinde a mim todos vós». Na Eucaristia renovamos o pacto que nos empenha a confiar-nos a Deus e a orientar todas as forças para o advento do seu Reino no mundo.
    Deixamo-nos conduzir pelo Espírito na procura da face de Deus, a exemplo das irmãs e dos irmãos que nos precederam na vocação.
    Nas provas do caminho espiritual e do apostolado perseveramos sustentadas pela promessa de Jesus Mestre Eucarístico: “Não temais. Eu estou convosco. Daqui quero iluminar. Arrependei-vos
    dos pecados”.

13. Atraídas pelo amor de Jesus Cristo, aderimos a Ele de modo livre e pessoal. Entramos no Caminho novo e vivo que nos guia ao Pai, na Verdade que nos torna livres e na Vida que nos preenche de alegria.
Caminhamos em novidade de vida, impelidas à plena configuração a Cristo no seu Mistério Pascal: “Fui crucificado com Cristo e não sou mais eu que vivo, mas é Cristo que vive em mim. Esta vida na carne, eu a vivo na fé do Filho de Deus que me amou e se entregou por mim”.

DIAS SIGNIFICATIVOS PARA A MEMÓRIA AGRADECIDA

21 de novembro de 1923: Úrsula Rivata e Metilde Gerlotto são colocadas a parte para iniciar uma nova obra na Família Paulina.
26 de novembro de 1971: morre, em Roma, o Bem-Aventurado Tiago Alberione, nosso Fundador.
29 de novembro de 1936: Madre Escolástica com Ir. M. Elia Ferrero partem do porto de Nápole para a fundação de uma comunidade no Egito e chegam em Alexandria/Egito no dia 2 de dezembro.
9 de dezembro de 2013: a Serva de Deus Madre Escolástica Rivata é reconhecida Venerável pelo Papa Francisco.
12 de janeiro de 1948: recebemos a Aprovação pontifícia.
24 de janeiro de 1948: morre o Bem-Aventurado Timóteo Giaccardo, fidelíssimo entre os fiéis do Fundador.
10 de fevereiro de 1924: em memória de Santa Escolástica, o Pe. Tiago Alberione dá início, em Alba, a Congregação das Pias Discípulas do Divino Mestre.

ORAÇÃO

Bendito sejais, Senhor nosso Deus: Pai, Filho e Espírito Santo, fonte de vida e de todo dom.

Nós o louvamos pelas abundantes riquezas de graças dada à Igreja e à Família Paulina através da vida do Bem-Aventurado Pe. Tiago Alberione.

Ó Pai, guiastes com sabedoria estes 100 anos de história das Pias Discípulas do Divino Mestre e, com a efusão do Espírito Santo, as fez testemunhas do teu Filho Jesus.

Suscite hoje outras discípulas e apóstolas, seguindo o exemplo da venerável Madre Escolástica Rivata.
Participantes do sacerdócio real do seu povo, converte-nos em uma liturgia viva para que, saciadas da fonte inesgotável de sua Palavra e Eucaristia, sejamos profecia de sua Presença que salva e transforma o mundo.

Glória a Ti, Santa Trindade, que desperta em nós o desejo de contemplar seu Rosto. Leve a pleno cumprimento a obra que iniciou, enquanto caminhamos, peregrinas, nesta história.

Guiados por Maria, Rainha dos Apóstolos, por São Paulo, por todos os santos e santas, chegaremos à sua morada, onde cantaremos para sempre o seu amor.

Por Jesus Mestre, Caminho, Verdade e Vida, na unidade do Espírito Santo, pelos séculos dos séculos. Amém.

ANO JUBILAR PDDM

Em 21 de novembro de 2022, abre-se o ano jubilar do Centenário de Fundação das Pias Discípulas do Divino Mestre.

O ano jubilar é um tempo de graça no reconhecimento do dom que vem de Deus. É tempo de memória deutoronômica, como reza o Salmista: “Recordo-me dos dias passados, medito todas as tuas ações e fico refletindo sobre as obras de tuas mãos” (cf. Sl. 143). É tempo de reconciliação pelas infidelidades e incorrespondências, pelas divisões e feridas que provocamos ou temos sofrido, por causa do nosso pecado e da fragilidade da natureza humana. É tempo de olhar para frente com confiança, convencidas de que Deus é fiel: os dons e o seu chamado são irrevogáveis (cf. Rm 11,29). É tempo de renovada confiança em Jesus Mestre, que continua chamar novas gerações a serem mulheres do Evangelho, transformadas pelo encontro com Ele e corajosas em fazer ressoar o primeiro anúncio, com gestos e palavras: “Jesus Cristo te ama, deu a sua vida para salvar-te, e agora está vivo a teu lado cada dia, para iluminar-te, para reforçar, para libertar-te” (EG 164).

A presença de Jesus Cristo em nós se reconhece na medida em que um encontro conseguiu fazer com que você permanecesse aqui por toda a vida. Quem entre nós se envolve inteiramente é uma fonte de energia, de atividade, de criatividade inesgotável. Se não fomos alcançadas no profundo de nosso coração, se não vimos o Senhor, talvez demos parte do nosso tempo, vamos aos encontros, vamos à Missa, à adoração… damos algo, mas não fazemos uma experiência tão totalizante de modo a descobrir que o Senhor me chama por inteiro. E desta experiência totalizante nasce a urgência da formação continuada e da missão. Não podemos mais calar aquilo que vimos e ouvimos! (cf. At 4,20)

A beleza do encontro entre Maria e Isabel, através da presença do Espírito que dá vida, se manifesta no louvor do Magnificat e na dança do pequeno João. Nossas comunidades vibram da alegria do Evangelho, da Boa e Bela Notícia de que Deus ama o mundo e cuida de todos os seus filhos? Mesmo nestes tempos difíceis e sombrios, em que fragilidade e vulnerabilidade pedem testemunhas de esperança?

«Como cristãos, não podemos esconder que “se a música do Evangelho parar de vibrar em nossas entranhas, teremos perdido a alegria que flui da compaixão, da ternura que nasce da confiança, da capacidade de reconciliação que encontra sua fonte em saber que somos sempre perdoados-enviados. Se a música do Evangelho parar de tocar em nossas casas, em nossas praças, no local de trabalho, na política e na economia, teremos extinto a melodia que nos provocava a lutar pela dignidade de cada homem e mulher.” (Discurso no Encontro ecumênico, Riga – Lituânia (24 de setembro de 2018): L’Osservatore Romano, 24-25 de setembro 2018, p. 8). Outros bebem de outras fontes. Para nós, essa fonte de dignidade humana e de fraternidade está no Evangelho de Jesus Cristo». (FT 277).

Logomarca do Centenário e do 10° Capítulo Geral

Logomarca do Centenário e do 10° Capítulo geral


Foi escolhida a logomarca elaborada por Ir. M. Laide Sonda (Província do Brasil). Evidencia a relação entre Jesus, Mestre e Senhor da Vida, e as mulheres que o seguem pelas estradas do mundo. A ficha descritiva, que se encontra anexada, nos ajuda a compreender melhor a proposta que a imagem quer transmitir.


Para o 10° Capítulo geral, foi escolhido adaptar a Logomarca do Centenário conservando sua imagem, mas inserindo o tema específico. De fato, no ano de graça 2022-2024, entrelaçam-se para nós, estes eventos importantes que se remetem reciprocamente: desejamos vive-los em harmonia e continuidade.


Conforme já dito, a Logomarca para a comemoração do Centenário é simples e constituída por quatro elementos principais: Jesus Mestre, Discípulas, Caminho-linhas aos pés, o número 100.


A figura de Jesus Mestre é a figura principal; Ele é o centro e o objetivo de nossa vocação e missão. O discipulado é aprendizado de cada dia. Exige caminhar, seguir o Mestre, pois é na sua Palavra, nos seus ensinamentos que se aprende a ser discípulas. «Atraídas pelo amor de Jesus Cristo aderimos a Ele de modo livre e pessoal. Entramos no Caminho novo e vivo que nos guia ao Pai, na Verdade que nos torna livres e na Vida que nos preenche de alegria» (RV13). Ele fez, faz e continua fazendo história com cada uma das discípulas que o seguiu, segue e seguirá.


Além do caminho há o texto: “Sulle orme di Gesù come donne del Vangelo”, tema proposto para o Centenário. O texto está ao redor da mandala, cujo simbolo indica o mistério de Cristo na sua natureza divina e humana e a contínua renovação da vida em Cristo, o renascer a cada dia, seja de cada cristão como também da vida coletiva, comunitária.


«A graça da conformação à Cristo é realizada pela ação do Espírito Santo, para a glória do Pai que nos conduz rumo a eternidade» (Introdução PGF). Embora não esteja presente um símbolo do Espírito há o dinamismo da roupa, como se houvesse vento, impulso. Esse Espírito conduz cada uma e a congregação, lhe confere ânimo, coragem para prosseguir apesar dos impasses de sua historia.


Com uma das mãos o Cristo Mestre abençoa, podendo ver neste gesto toda benção, todas as graças que nos foram dispensadas no decorrer desses 100 anos. «Tudo é de Deus, tudo nos leva ao Magnificat» (RV11). A mão da frente aponta o caminho, convida a seguir, confiar Nele: “Nolite timere, ego vobiscum sum!” ( RV12).


As imagens femininas são silhuetas que não identificam pessoas específicas, mas toda e qualquer discípula, de todos os continentes e etnias. Estão na cor preta para sobressair, mas também para simbolizar que, realisticamente, somos pálidas sombras daquilo que somos chamadas a ser.


As três linhas que compõem o caminho aludem ao dinamismo de seguir Jesus casto, pobre e obediente, à missão que brota da Páscoa: ao serviço da Eucaristia, do sacerdócio e da liturgia.


São três linhas, uma das quais dá origem a uma quarta linha, para nos lembrar que a fidelidade criativa ao carisma recebido de Pe. Alberione é vivida em seu desenvolvimento constante, em harmonia com o corpo sempre crescente de Cristo (cf MR 11).

Outros projetos para celebração do Ano Jubilar pelo Centenário PDDM

O Governo Geral também colocou em andamento os seguintes projetos:

O site  www.pddm.org/100anni: No dia 20 de novembro, se abrirá uma nova página no site internacional: www.pddm.org/100anni, inteiramente dedicada aos eventos do Centenário. Editada pela Comissão para a Comunicação, esta página aguarda as notícias, publicações e outras inciativas da inteira Congregação.

Hino do Centenário

A canção escolhida, das muitas recebidas, intitula-se “Correte, non temete”, composta pela noviça Monica Marzulli. É uma canção simples, cativante e atrativa no ritmo e mensagem, fácil de memorizar e com o refrão também em inglês. Ela comunica a alegria pascal do encontro com o Mestre, o único motivo da escolha vocacional de cada discípula. Nas estrofes, ressoam as palavras “carismáticas” que motivaram e sustentaram as gerações de Irmãs antes de nós e continuam a transmitir luz e força para olhar para o futuro: “Não tenha medo. Eu estou com você. Daqui eu iluminarei” e “Eu sou o Caminho, a Verdade e a Vida” (Jo 14,6).

Ela foi interpretada por um coro de vozes mistas internacionais: Irmãs, Noviças e Noviços Paulinos na Itália, que cantaram transmitindo a energia multicultural. As traduções serão publicadas nos seguintes idiomas: inglês, francês, espanhol e português.

Agradecemos às Irmãs, os Confrades Paulinos e os aos Amigos do Divino Mestre que responderam em grande número, enviando uma composição, com a intenção de transmitir a alegria e o significado do Jubileu de Fundação. Todos os hinos compostos, aqueles que foram recebidos e aqueles que a criatividade ainda vai suscitar, serão publicados no site: www.pddm.org/100anni.

Participe conosco deste grande louvor a Deus pelos 100 anos de presença PDDM na Igreja.

SOLENIDADE DE JESUS MESTRE E PASTOR, CAMINHO, VERDADE E VIDA

Neste último domingo de outubro, dia 30, as Irmãs Pias Discípulas junto com a Família Paulina, celebra a Solenidade de Jesus Mestre e Pastor, Caminho, Verdade e Vida. Celebrações em todas as regiões do Brasil marcaram este dia.

Com os textos do 31º Domingo do Tempo Comum, o evangelho nos convida a olharmos para Zaqueu, o homem que queria “ver Jesus”. Ver indica o desejo firme de fazer parte do seu Reino e da sua comunidade de salvação. E Jesus colocou em Zaqueu todo seu amor dando a ele a vida eterna.

Em São Paulo, a Família Paulina se reuniu na Casa das Irmãs Pias Discípulas em Cabreúva/SP. Quem presidiu a celebração foi o neo-presbítero, pe. Danilo Alves Lima, ssp. Confira a homilia do Pe. Danilo na íntegra para este dia:

“Dentre as maravilhosas heranças carismáticas que o Bem-aventurado Tiago Alberione nos deixou – e são muitas! – a maior delas é, sem dúvida, ter-nos deixado Jesus Cristo, Divino Mestre, como o centro da nossa espiritualidade. A nossa espiritualidade é cristocêntrica. Jesus é o centro! Jesus é o motivo pelo qual nos consagramos, vivemos em comunidade, fazemos apostolado. Um dia fomos chamados e respondemos ao seu convite. E aqui estamos, buscando a cada dia ser pessoas melhores, no serviço a Deus e à Igreja.
Jesus Mestre é o centro da espiritualidade de nossa Família Paulina. Jesus é o centro de toda a nossa vida cristã. É para ele que devemos manter fixos os nossos olhos. É por ele que devemos gastar a nossa vida, servindo aos irmãos e as irmãs, sobretudo os pobres, pois é com ele que viveremos eternamente felizes no Reino dos céus. Essa é a nossa esperança! Jesus, Divino Mestre e Pastor, Caminho, Verdade e Vida é o centro, o sentido de nossa existência! O Cristo Metre, o Cristo integral, o Cristo total.
Jesus Mestre, o único Mestre. Escreve o Padre Alberione: “Jesus Cristo Mestre. Jesus disse: ‘Quanto a vós, não permitais que vos chamem de mestre, pois um só é o vosso Mestre’ (Mt 23,8). E por que entre nós se usa muito, e para tantas pessoas, esse título? Existe “professor” e existe “mestre”. O professor instrui a mente, comunicando aquilo que estudou. E muitos são os professores. Jesus, por sua vez, é o único Mestre, enquanto é Caminho, Verdade e Vida. Ele é a própria Verdade; é o Caminho que nos conduz ao céu, à salvação; é a Vida de graça sobre a terra, e a Vida bem-aventurada no céu. Dar em plenitude Jesus Cristo ao mundo, este é o nosso apostolado” (CISP 571).
Dar em plenitude Jesus Cristo ao mundo, como fez Maria – “a editora do Verbo divino” – eis a nossa missão. E nós sabemos como o mundo tem sede de Jesus, da Boa Notícia que ele trouxe. Nós não podemos nos acomodar diante das dificuldades; são muitas as crises que querem a todo custo nos desanimar: crise vocacional, crise financeira, crise até mesmo existencial. Essas crises só terão espaço se perdemos o foco, se desviarmos o nosso olhar de Jesus. Porque as estruturas do nosso apostolado são importantes, e devemos cuidar delas, é verdade; mas as estruturas com pessoas doentes, física e espiritualmente, não tem sentido; a estrutura sem pessoas não tem razão de existir. As estruturas passam e passarão, mas as pessoas não. O dever de dar Jesus em plenitude ao mundo, o Cristo Mestre integral, continuará sendo a razão pela qual a Família Paulina existe. Seja nos grandes centros de apostolado, seja no encontro com uma pessoa, seja simplesmente a nossa presença. Felizes seremos se ouvirmos: “Eis um membro da Família Paulina, eis um anunciador de Jesus Cristo”. Tristeza, ao contrário, se ouvirmos: “Eis um membro da Família Paulina. Eis um comerciante”. Deus nos livre disso, e nos faça verdadeiros anunciadores de Jesus, com a nossa vida e com o nosso apostolado.
Mas para que isso aconteça, para que sejamos capazes de anunciar o Cristo em plenitude ao mundo, nós precisamos fazer uma experiência com ele. Uma experiência que transforme a nossa vida. Não é possível anunciar o que não experimentamos. O nosso discurso será vazio, não tocará os corações. O encontro pessoal com Jesus é que dá eficácia ao nosso apostolado, é que dá sentido à nossa vida.
Minhas irmãs e meus irmãos, não são necessários grandes eventos, ocasiões extraordinárias para fazermos uma experiência com Jesus. O Evangelho de hoje nos mostra isso. Zaqueu estava levando a sua vida na normalidade de seus dias, “chefe dos cobradores de impostos e muito rico”. Como sabemos, não era visto com bons olhos pelos outros. Tratavam Zaqueu como “pecador”. Quantas vezes nós também não olhamos com bons olhos nossos irmãos e irmãs. Somos incapazes de ver algo bom neles, só defeitos. E, para isso, a vida comunitária pode aguçar essa capacidade em nós. Olhamos para os outros com olhos de julgamento; Jesus olha para nós, como olhou para Zaqueu, com os olhos da compaixão e da misericórdia.
Antes desse olhar transformador, Zaqueu procurava ver Jesus, mas não conseguia porque era baixo. Essa informação é no mínimo curiosa. Santo Ambrósio, comentando esse versículo diz: “O que pode significar o fato de os evangelhos não mencionarem a estatura de nenhum outro personagem, e de Zaqueu sim? Talvez Zaqueu seja dito pequeno de estatura porque encolheu-se sob o peso da própria malícia ou pela pequena fé que tinha. Não se curvou diante do Cristo porque na ocasião ainda não o conhecia”.
Por isso, sobe na árvore. Para ver Jesus de cima, sem se misturar com a multidão que seguia o Mestre. Jesus passa e percebe a presença de Zaqueu. Ninguém passa despercebido por Jesus. Olhou para cima. Imaginemos a doçura do olhar de Jesus. Os outros olhavam Zaqueu como pecador; Jesus o olha como filho de Abraão. Jesus tem o olhar de compaixão, que é próprio de Deus. É isso que nos lembra a linda oração tirada do livro da Sabedoria, que ouvimos na primeira leitura: “Senhor, de todos tens compaixão, porque tudo podes. Sim, amas tudo o que existe e não desprezas nada do que existe; porque, se odiasse alguma coisa, não a terias criado. A todos, porém, tu tratas com bondade, porque tudo é teu, Senhor, amigo da vida”.
É, portanto, esse olhar de compaixão de Jesus, Divino Mestre, esse olhar de misericórdia que transforma a vida, que devemos experimentar e anunciar em plenitude ao mundo. Ao encontrar-se com Jesus, Zaqueu abandonou a vida que levava, para começar outro modo de viver ao lado de Jesus. Lembrou-se dos pobres, inclusive!
Que a celebração desta Eucaristia, que a celebração de cada eucaristia, cada encontro com Jesus no Pão, na Palavra e nas pessoas transforme a nossa vida. Que a salvação trazida por Jesus entre na casa do nosso coração. Assim, seremos felizes anunciadores do Cristo Mestre, Caminho, Verdade e Vida”.

Veja as fotos das celebrações nas outras regiões do Brasil:

Comunidade Divino Mestre, Olinda/PE:

Comunidade Divino Mestre, Brasília/DF

Comunidade Divino Mestre, Caxias do Sul/RS

“Jesus, o Mestre, Pastor, caminho, Verdade e vida é o coração da nossa espiritualidade apostólica. O nosso Fundador se apressa em esclarecer em Jesus, Mestre, para nós não é um daqueles tantos mestres, mas o único Mestre, Caminho, Verdade e Vida “.

Neste domingo dia 30 de outubro de 2022, a comunidade das Irmãs P. Discípulas do Divino Mestre juntamente como os Amigos e as Amigas do Divino Mestre, Irmãs Pastorinhas, colaboradores e parentes, se reuniram para celebrar a Eucaristia na capela Divino Mestre Caxias do Sul – RS. A celebração foi presidida pelo padre Daniel D’Agnoluzzo Zatti, pároco da Paróquia São Ciro. A celebração foi orante, ministerial e participativa.

 Em nossa oração recordamos, a inteira Congregação, das Irmãs Pias Discípulas e todos os membros que constituem a grande Família Paulina que vivem a Espiritualidade de Jesus Mestre Pastor, Caminho, Verdade e Vida.  Após a celebração continuamos a partilha e a convivência. Momento de gratidão pela presença de todos.

Pelo grupo, Ir. Analice L. Balestrin

Comunidade Divino Mestre, Manaus/AM

Comunidade Irmã Modesta, Codajás/AM

Comunidade Cristo Redentor, Rio de Janeiro/RJ

PROJETO PALAVRAS QUE LIBERTAM

O Apostolado de Litúrgico de Recife está apoiando um projeto muito importante desenvolvido pela Arquidiocese de Olinda/Recife e o CAP – Serviço de Animação Bíblica: é o “Projeto Palavras que libertam”. Com outros apoiadores, estão animando aos cristãos e cristãs para doar um bíblia para que seja distribuída a outras pessoas que não têm acesso ao livro sagrado.

Pelo projeto, é previsto que no último domingo de setembro, será arrecada uma Bíblia nova que será distribuída aos movimentos e pastorais da Arquidiocese de Olinda e Recife.

O Projeto Palavras que libertam ainda conta com o apoio institucional da Pastoral Carcerária e o CEBI. Além disto, reúne lojas, livrarias e editoras importantes no cenário religioso e católico como apoiadoras neste projeto: Apostolado Litúrgico, Edições CNBB, Paulinas, Paulus, Editora Santuário e Editora Vozes.

A data de lançamento deste projeto está em consonância com o mês da Bíblica, celebrando na Igreja Católica do Brasil todos os anos no mês de setembro. Este ano, por ocasião do Mês da Bíblia, a Comissão para a Animação Bíblico-Catequética propõe um texto de estudo para oportunizar “a mais ampla educação bíblica possível”. Em 2022, o livro escolhido é o de Josué e o lema bíblico inspirador é “O Senhor, teu Deus, estará contigo por onde quer que vás” (Js 1,9). “Também nós somos chamados ao estudo do Livro de Josué, que nos leva a perceber que Deus nunca deixa sem resposta as pessoas e comunidades que a Ele se confiam”, afirma um trecho do texto-base da CNBB.

O Livro de Josué

O esforço empreendido pelas tribos israelitas na conquista e ocupação das terras é tema principal no Livro de Josué.   O personagem principal de todo o livro é Josué, termo em hebraico que significa “O Senhor salva”. Os subsídios pretendem indicar roteiros celebrativos que conduzirão pelos passos do povo de Israel, rumo à Terra Prometida.

Como citado, para comemorar o Mês da Bíblia, a AOR – Edição Especial CEN 2020, na Arquidiocese de Olinda/Recife, neste ano do Congresso Eucarístico Nacional e em busca de viver a sinodalidade, a CAP Animação Bíblica, lança a campanha “Doe uma Bíblia”, que tem por objetivo levar a palavra de Deus a todos os povos, incentivando a Leitura Orante da Palavra de Deus.   A ideia é que mais e mais pessoas tenham acesso aos livros sagrados, nas diversas pastorais e movimentos da Igreja, especialmente no Projeto Palavras que Libertam, em parceria com a Pastoral Carcerária.

Divulgue, compartilhe em suas redes sociais e participe.

CARTA DE IR. MICAELA MONETTI, SUPERIORA GERAL, SOBRE A SITUAÇÃO DAS NOSSAS IRMÃS NA UCRÂNIA

Com uma carta interna para toda a Congregação, a Ir. Micaela Monetti, superiora geral das Pias Discípulas do Divino Mestre, relata como está a Família Paulina presente naquele país e como estão sendo testemunho profético neste momento de dor para aquela nação. Ela motiva a nos unir em oração pela paz.

Leia a carta na íntegra:

Roma, 26 de fevereiro de 2022

Queridas Irmãs, Jovens em formação e Amigos/Amigas do Divino Mestre,

quinta-feira passada 24 de fevereiro, assistimos impotentes à invasão militar da Rússia na Ucrânia, república europeia na qual estão presentes duas pequenas comunidades Paulinas: as Pias Discípulas do Divino Mestre, missionárias polonesas que vivem em Chmel’nyc’kyj, cidade situada na região da Podólia na Ucrânia ocidental, e a Sociedade São Paulo com uma bela missão evangelizadora em L’viv, ou seja, Leópolis, uma cidade da Ucrânia ocidental distante cerca de 70 km da fronteira com a Polônia.

As Irmãs da nossa comunidade estão bem conscientes da gravidade da situação e da imprevisibilidade da evolução do conflito armado. Porém, estão determinadas a permanecer na Ucrânia para continuar a ser uma presença de esperança, oração e solidariedade com a população ucraniana: as famílias, a vida religiosa e as comunidades católicas.

Em resposta aos apelos do Episcopado Ucraniano e das organizações humanitárias internacionais, abriram a casa para acolher fugitivos que precisam de hospitalidade em zonas mais seguras.

Estamos constantemente em contato com elas. No momento estão bem e esperam, como todos nós, que retorne logo a paz e a tranquilidade. Agradecemos a oração e a comunhão que infunde coragem e esperança

Estamos certas de que cada comunidade já se programou para a participação do dia de oração e jejum promovido pelo Papa Francisco, para o próximo 2 de março, com a intenção especifica de implorar paz para a Ucrânia e para a Rússia: infelizmente, as vítimas destas terríveis decisões políticas são na maioria os jovens, de ambas as Nações em conflito.

Pela solidariedade, aprendida na frequentação amorosa e quotidiana da Eucaristia, Pão de Vida para o mundo, fazemo-nos espiritualmente responsáveis pelas famílias, pelos idosos e as crianças e por todos aqueles que pagam o mais alto preço desta tragédia imensa e invocamos paz.

___________________________________

Sr. M. Micaela Monetti, superiora geral

Encerramento do Ano bíblico da Família Paulina no Brasil no Santuário Nossa Senhora Aparecida

Em romaria ao Santuário Nacional de Aparecida, no dia 21 de novembro, Solenidade de Cristo Rei do Universo, a Família Paulina do Brasil celebrou o encerramento do Ano Bíblico, um ano dedicado à Palavra de Deus, com o tema “Para que a Palavra do Senhor se espalhe rapidamente” (2Ts 3,1).

A celebração foi presidida por Dom Orlando Brandes, arcebispo da Arquidiocese de Aparecida, e concelebrada por alguns presbíteros paulinos e diocesanos que estavam em romaria com seus paroquianos. Neste dia de graça para a Família Paulina em Aparecida, contamos com a presença e participação de 40 membros, representando as Congregações, Institutos e Cooperadores da Família Paulina.

Durante a homilia, Dom Orlando Brandes enfatizou: “A Festa de Cristo Rei é cristificar a nossa vida. Hoje, estão aqui os Padres Paulinos, as Irmãs Paulinas, a Família Paulina e o fundador dos Paulinos, o Beato Alberione. grande lema que ele escolheu de todas as cartas de São Paulo foi ‘Até que Cristo seja formado em nós’. Isto é deixar Cristo ser Rei desde o pé até o fio de cabelo. Rei dos meus pensamentos, Rei dos meus afetos, Rei da minha vontade, Rei da minha memória, Rei de todo o meu ser. A ponto que Paulo dizia: ‘Já não sou eu que vivo, é Cristo que vive em mim’. Então, cuidar da natureza, pé na missão e cristificar-se é a grande espiritualidade deste dia de Cristo Rei. Irmãos e irmãs, hoje o nosso santuário se reveste de tamanha alegria, pois vocês estão aqui representando a grande Família Paulina, concluindo em honra de Cristo Rei um Ano Bíblico em todo o Brasil, desde a choupana até o arranha céu. Cristo Rei da choupana que se torna um santuário e Cristo Rei nos arranha-céus, porque lá nós também precisamos evangelizar. Esta Família Paulina, fundada pelo Beato Tiago Alberione, celebra também 50 anos do falecimento desse, a respeito de quem o papa Paulo VI disse: ‘Você, Alberione, é a maravilha deste século, porque você criou padres e irmãs para a comunicação’. E comunicação que leva o Cristo Rei. Tu, Alberione, fundaste as Irmãs Pia Discípulas para cuidarem de Cristo Rei na liturgia. Tu és a maravilha, Tiago Alberione, porque criaste as Irmãs Pastorinhas que estão lá junto do povo, na ferida do povo, levando as escrituras para que através das Escrituras. Cristo Rei nos transforme em discípulos e missionários. E ainda criaste as Irmãs Apostolinas que cuidam das vocações. Cá entre nós, não é realmente uma das maravilhas deste século? Até porque o papa disse também:’ Você, Tiago Alberione, você é o Paulo vivo no dia de hoje’. Eu quero dizer aos Paulinos e Paulinas: vocês são Paulo vivo na Igreja de hoje!”

Nossa gratidão a Dom Orlando por todo o carinho e admiração à Família Paulina. Também queremos agradecer aos Missionários Redentoristas na pessoa do Reitor, o Pe. Eduardo Catalfo, pela belíssima acolhida da Família Paulina no santuário.

Foi um ano, de fato, para perscrutarmos e fazer com que a Palavra corresse e se espalhasse rapidamente. Nossa gratidão à Comissão Central de Roma por todo empenho e dedicação aos conteúdos compartilhados conosco. Nossa gratidão a toda Família Paulina do Brasil, que acompanhou e viveu intensamente esse ano dedicado à Palavra, através de cada iniciativa promovida pela Comissão Nacional.

Agradecemos aos provinciais pelo apoio e dedicação ao longo da vivência deste Ano Bíblico. Que o tema do Ano Bíblico nos impulsione ainda mais a continuar espalhando a Palavra. Agradecemos a Comissão Nacional pelo empenho e dedicação na vivência deste ano Bíblico aqui no Brasil.


Ir. Elivânia Santos, fsp

Click no link para assistir a missa: https://www.youtube.com/watch?v=svcfmVZxa0s

Profissão Perpétua de Ir. M. Natali Santos Bertoso

À alegria deste 33º Domingo do Tempo Comum, juntamos a ação de graças pelos votos definitivos de nossa querida irmã M. Natali. O lema da Profissão Perpétua de Ir. M. Natali é: “Tua Palavra é lâmpada para os meus pés e luz para o meu caminho” Sl 119,105.

A celebração foi presidida pelo Pe. Joaquim de Souza Filho, padre da Diocese de Jundiaí. Recebeu os votos a Ir. Marilez Furlanetto, superiora provincial e, na celebração estavam presentes as Irmãs Pias Discípulas das comunidades de São Paulo, além de algumas pessoas da paróquia local, Jesus de Nazaré, que auxiliaram no canto e na gravação da celebração. A Missa foi transmitida ao vivo pelo canal do Youtube da Congregação no Brasil.

Ir. M. Natali entrou na comunidade de Olinda em fevereiro de 2008 e, em 10 fevereiro de 2013, depois de cinco anos de formação em Cabreúva e Caxias do Sul, fez seus primeiros votos. Nos anos seguintes, depois dos primeiros votos partilhou da nossa vida e missão nas comunidades de Taguatinga, Olinda, Rio de Janeiro e São Paulo. Em 2020, foi à Roma se preparar para renovar o seu sim e ser confirmada por Deus definitivamente entre as Pias Discípulas.

Link da gravação da Celebração dos Votos Perpétuos de Ir. M. Natali Santos Bertoso

Após a Celebração, a comunidade Jardim Divino Mestre ofereceu um jantar a todos os presentes.

Esta celebração preparada com todo carinho, marcou a sua caminhada com seu sim generoso e feito, agora, para toda a vida. Que a alegria da Ir. M. Natali anime todas nós, suas irmãs, e seja de alegria também para a sua família.

COMEMORAÇÃO DE TODOS OS FIÉIS DEFUNTOS: RECORDAÇÃO DE TODOS E TODAS DA FAMÍLIA PAULINA NO BRASIL QUE ESTÃO EM DEUS

Texto: Pe. Antônio Lúcio, SSP

Estamos no início do mês de novembro: mês dedicado aos Falecidos. De modo especial no dia 2, recordamos com saudades todos os nossos mortos: familiares, parentes, amigos, conhecidos, coirmãos de Congregação e membros da Família Paulina. Portanto, esse mês é um tempo propício para uma séria revisão de nossa vida. Não basta viver um dia após o outro, faz-se necessário viver bem cada dia. Nossa meta seguramente é viver eternamente junto de Deus. Para que isso aconteça, basta cumprirmos a sua vontade a nosso respeito. Certamente o que ele espera de cada um de nós, é que sejamos a sua presença no mundo. Onde quer que estejamos, com quem estejamos, fazendo o que fizermos, vivendo o que vivermos… que ele seja reconhecido em nós. Como? Através dos nossos gestos, das nossas palavras, das nossas ações, dos nossos sentimentos, do nosso julgar, do nosso pensar, do nosso viver… Finados não é um dia para explicar a morte, mas bem mais um dia para refletirmos sobre a vida: a minha vida e a sua vida!

Penso ser oportuno recordar as palavras do saudoso Rubem Alves, mineiro e educador, falecido no dia 19 de julho de 2014, em Campinas (SP), com um breve trecho de uma carta sua inédita: “Sou grato pela minha vida. Não terei últimas palavras a dizer. As que tinha para dizer, disse durante a minha vida. Recebi muito. Fui muito amado. Tive muitos amigos. Plantei árvores, fiz jardins. Construí fontes, escrevi livros. Tive filhos, viajei, experimentei a beleza, lutei pelos meus sonhos. Que mais pode um homem desejar? Procurei fazer aquilo que meu coração pedia”.

E baseando-me no mesmo Rubem Alves prossigo a nossa reflexão. Certa feita perguntaram-lhe: “O que é vida? Mais precisamente, o que é a vida de um ser humano? O que e quem a define?” Ele respondeu de supetão: “Já tive medo da morte. Hoje não tenho mais. O que sinto é uma enorme tristeza. Concordo com Mário Quintana: ‘Morrer, que me importa? (…) O diabo é deixar de viver’. A vida é tão boa! Não quero ir embora…”.

E ele comenta uma pergunta de sua filha: “Eram 06h00. Minha filha me acordou. Ela tinha três anos. Fez-me então a pergunta que eu nunca imaginara: ‘Papai, quando você morrer, você vai sentir saudades?’. Emudeci. Não sabia o que dizer. Ela entendeu e veio em meu socorro: ‘Não chore, que eu vou te abraçar…’ Ela, menina de três anos, sabia que a morte é onde mora a saudade”.

E com as palavras do Bem-aventurado Tiago Alberione, peçamos com fé: Ó Jesus misericordioso, pela vossa dolorosa paixão e pelo amor que tendes a mim, rogo-vos que perdoeis todo o mal que cometi e as consequências dos meus inúmeros pecados nesta e na outra vida. Concedei-me espírito de contínua conversão, delicadeza de consciência, ódio ao pecado e disposições necessárias para receber as indulgências. Proponho-me acompanhar com a oração, sempre que possível, os que passam desta vida à eternidade. E vós, Bondade infinita, infundi-me sempre maior fervor a fim de que, um dia, livre dos vínculos do corpo, possa contemplar-vos face a face, para sempre, no céu”.

Dai-lhes, Senhor, o descanso eterno, e a luz perpétua os ilumine; descansem em paz. Amém.

Ato heroico de caridade

    Meu Deus, para a vossa maior glória, em união com os merecimentos de Jesus e de Maria, eu vos ofereço e cedo em favor dos defuntos todas as minhas boas obras, e todos os sufrágios que receberei depois da morte. Disponde tudo segundo a vossa vontade.

Abraço com afeto,

            Pe. Antônio Lúcio, ssp

Secretário Provincial

São Paulo, 2 de novembro de 2021

Comemoração de Todos os Fiéis Defuntos

Para que a Palavra do Senhor se espalhe rapidamente

Neste 1º de Novembro de 2021, a Família Paulina de todo o mundo é convidada a voltar seu olhar para Roma. As relíquias do Bem-Aventurado Pe. Tiago Alberione será trasladada da Sotto Cripta para o Santuário Rainha dos Apóstolos, em Roma.

Confira toda a programação deste mês de novembro para a Família Paulina que marca a conclusão do Ano Bíblico:

Cronograma de transferência de relíquias do Bem-Aventurado Tiago Alberione e Festa Litúrgica no 50º aniversário do seu Dies Natalis

1 a 26 de novembro de 2021

• 1º de novembro, 13h00 (horário de Brasília):

Santa Missa e transferência da urna do Bem-Aventurado Pe. Tiago Alberione ao Santuário de Maria Rainha dos Apóstolos, em Roma; presidido pelo Card. Vigário Angelo De Donatis (ao vivo online).

• 2, 3 e 4 de novembro:

– 12h00 (horário de Brasília): Tríduo de agradecimento pela presença da urna do Bem-Aventurado Alberione no Santuário de Maria Rainha dos Apóstolos, em Roma.

– 13h00 (horário de Brasília): Santa Missa (ao vivo online).

• 2 a 23 de novembro:

Peregrinação da relíquia do Bem-Aventurado Alberione nas comunidades da Família Paulina de Roma e das Colinas Albanas

• 3, 10, 17, 24 de novembro:

#incontripaolini dedicado ao Beato Giacomo Alberione

(No dia 24/11, participa a Ir. Laíde Sonda, pddm, do Brasil)

• 23, 24 e 25 de novembro:

– 12h00 (horário de Brasília): Tríduo de oração em preparação à festa do 50º aniversário do Dies Natalis do Fundador, no Santuário de Maria Rainha dos Apóstolos, em Roma

– 13h00 (horário de Brasília): Santa Missa (ao vivo online)

• 25 de novembro:

Audiência concedida pelo Papa Francisco aos Governos Gerais da Família Paulina e representantes dos Institutos Paulinos e Cooperadores Paulinos

• 26 de novembro:

Festa litúrgica do Beato Alberione e encerramento do Ano Bíblico da Família Paulina

– 3h30: Oração de encerramento do Ano Bíblico da Família Paulina – “Compi la tua opera di annunciatore” (ao vivo online) – pela equipe do Ano Bíblico da Família Paulina

– 10h00: Webinar internacional dedicado ao tema “O estudo das Escrituras: a contribuição da Liturgia” – pela equipe do Ano Bíblico da Família Paulina

– 12h00: Inauguração do Museu Dom Alberione na Casa Geral da Sociedade de São Paulo: Participa o Card. Marcello Semeraro

– 13h00: Santa Missa no Santuário de Maria Rainha dos Apóstolos: presidida pelo Card. Marcello Semeraro (ao vivo online)

Para informação:

Postulador Geral da Família Paulina
Sociedade de São Paulo
Via A. Severo, 58 00145 Roma
Tel: 06.597861
Email: posgen@paulus.net

PDDM: 65 ANOS DE BRASIL

Pias Discípulas do Divino Mestre: 56 anos de presença no Brasil

A fundação das Pias Discípulas deu-se no dia 26 de julho de 1956, com a chegada ao Brasil de um grupo de seis Pias Discípulas. Pe. João Roata, ssp, Mestre Dolores, fsp, e outras Paulinas receberam as Irmãs fundadoras, que logo iniciaram a vida e missão no Brasil com a adoração eucarística e o serviço sacerdotal no Seminário da Pia Sociedade de São Paulo.

Ir. Paulina de Luca

As irmãs que chegaram neste dia 26 de julho se juntaram a Ir. Paulina de Lucca, que havia vindo ao Brasil no dia 1º de fevereiro de 1956. Ela havia nascido em São Carlos do Pinhal, SP. Poucos meses depois de seu nascimento, seus pais, migrantes, retornaram para a Itália. Lá Ir. Paulina de Lucca cresceu, estudou e provavelmente terá se sentido bem mais italiana que brasileira. Aos 18 anos, ingressou na Congregação. Sua família retornou ao Brasil. Havia 30 anos que não via seus pais. Assim, vir antes foi uma preparação importante para a chegada das primeiras em terras brasileiras, mas foi uma possibilidade dela rever os pais.

Apesar de nunca ter expressado o desejo de rever os pais, o Fundador, Bem-Aventurado Tiago Alberione a enviou primeiramente a revê-los. A saúde deles já estava debilitada e isto foi importante.

Ir. M. Salvatoris Lucia Rosa, Ir. M. Modesta Santina Grotto, Ir. M. Giancarla Catarina Barale, Ir. M. Pasquina Romano, Ir. M. Fabiana Giuseppa Lucido, Ir. M. Paolina Margharita De Lucca e Ir. M. Venerina Vaccarisi, saíram no dia 09 de julho de 1956, do Porto de Gênova, no navio “Conte Grande” para o porto de Santos/SP. No dia 26 de julho de 1956, as Pias Discípulas foram acolhidas com prolongado toque de sino, na casa das Filhas de São Paulo. Depois passaram a morar no Seminário Paulino.

Irmãs no porto de Gênova: Tecla Molino, Fabiana, Salvatoris, Madre Lucia, Pasquina, Giancarla, Modesta e Venerina.

Ir. Marilez Furlanettto, atual provincial PDDM no Brasil, assim se expressa: “A elas e a todas as que nos antecederam, nosso reconhecimento e estima, porque souberam acolher e fazer frutificar as graças e bênçãos que o Senhor derramou em cada uma das pequenas ou grandes ações realizadas com amor e por amor a Deus que é fiel em suas promessas”.

De fato, celebrar 65 anos nos enche de gratidão por este caminho de fé, doação e amor a Jesus Mestre Caminho, Verdade e Vida. Ainda, Ir. Marilez motiva:

O Senhor nos conduziu ao longo destes 65 anos, iluminando nossos passos e enviando pessoas generosas que muito contribuíram como amigos, benfeitores, colaboradores e cooperadores Amigos/as do Divino Mestre, para a expansão da Congregação no Brasil e desenvolvimento da Missão. Temos a certeza que Ele está conosco e quer continuar nos mostrando o caminho. Deixemo-nos guiar pela sabedoria divina e acolhamos os “sinais dos tempos,” que na atual situação nos desafiam a redesenhar nossas presenças e a entrar na dinâmica da solidariedade, como nos orienta o Papa Francisco na Carta Encíclica Fratelli tutti: A solidariedade manifesta-se concretamente no serviço, que pode assumir formas muito variadas de cuidar dos outros. O serviço é, «em grande parte, cuidar da fragilidade. Servir significa cuidar dos frágeis das nossas famílias, da nossa sociedade, do nosso povo». Nesta tarefa, cada um é capaz «de pôr de lado as suas exigências, expetativas, desejos de omnipotência, à vista concreta dos mais frágeis (…). O serviço fixa sempre o rosto do irmão, toca a sua carne, sente a sua proximidade e, em alguns casos, até “padece” com ela e procura a promoção do irmão. Por isso, o serviço nunca é ideológico, dado que não servimos ideias, mas pessoas». Peçamos que Jesus Mestre e Pastor continue chamando pessoas que desejam abraçar a causa do Reino de Deus. E assim podermos levar a Boa notícia do Evangelho para que todos tenham vida e vida em plenitude. Desejamos caminhar na comunhão e servir na alegria. 

Padre Tiago Alberione escreveu às Irmãs enviadas em Missão: “Páscoa de 1956. Felicitações e orações. Peço a Deus que a solenidade destes dias proporcione aumento de graças, luzes, merecimentos e alegrias. Abençoo cada um dos vossos nomes. O Divino Mestre vos dará outra casa, se fordes fiéis. Rezo pelas vocações; mas muito cuidado na escolha das mesmas. Amor a Jesus Hóstia!”.

Nossas Irmãs foram memória viva dessa herança carismática. O Divino Mestre tornou-as fiéis, fecundas na fé e na esperança, e os frutos foram abundantes. Gratidão eterna a Deus por sua bondade e às Irmãs pela generosa doação no grande desafio dos inícios de chegada na Terra de Santa Cruz.

Pias Discípulas: contexto sociocultural e eclesial na chegada, em 1956

Como as demais congregações paulinas vindas para o Brasil, as Pias Discípulas se instalaram em São Paulo, na capital. A população era predominantemente italiana, portuguesa e japonesa. Na época, o fenômeno da urbanização marcava a cidade de São Paulo, que buscava responder aos imensos desafios urbanos e das culturas emergentes. Dominava a migração nordestina.

No quarto centenário (1954) da cidade de São Paulo, o Estado de São Paulo possuía catorze Dioceses e a população da Arquidiocese ultrapassava três milhos de habitantes – o que a colocava como a maior do Brasil e da América do Sul. Em 1955, deu-se a fundação da CNBB – Conferência Nacional dos Bispos do Brasil, por iniciativa de Dom Hélder Câmara.

A Igreja recebeu forte impulso do CELAM (Conselho Episcopal Latino Americano), cuja fundação deu-se também em 1955.

Deste contexto emergem:

  • Redescoberta da dimensão social da fé, ensaio da nova presença da Igreja na sociedade.
  • Experiência de fé no contexto do compromisso laical, Ação Católica e Movimentos: ACO (Ação Católica Operária); JOC (Juventude Operária Católica) – JUC (Juventude Universitária Católica).
  • Emergência das classes populares: plano de pastoral de conjunto com forte sentido de participação, planejamento e descentralização do poder.

As Pias Discípulas foram acolhidas oficialmente pelo Cardeal Dom Carlos Carmelo de Vasconcelos Motta, na pessoa de Dom Paulo Rolin Loureiro, bispo auxiliar e vigário geral do Arcebispado.